Oficiais japoneses se negam a pedir desculpas por 2a Guerra

Por Isabel Reynolds TÓQUIO (Reuters) - Mais de 70 oficiais da Força Aérea japonesa escreveram textos argumentando que o país não deveria ter se desculpado por suas ações na 2a Guerra Mundial, provocando mais uma polêmica a respeito do passado militarista japonês.

Reuters |

O chefe do Estado-Maior da Força Aérea foi demitido na semana passada após ter apresentado a um concurso um ensaio em que dizia que o Japão não foi a parte agressora na guerra, algo que provocou indignação na China e na Coréia do Sul, onde muita gente sofreu sob a ocupação japonesa.

As opiniões do brigadeiro Toshio Tamogami são compartilhadas por alguns políticos e historiadores direitistas, mas contradizem o pedido formal de desculpas feito em 1995 pelo então primeiro-ministro Tomiichi Murayama.

O texto de Tamogami foi premiado no concurso, organizado por uma imobiliária, e foi publicado em um site na Internet. Na quinta-feira, o Ministério da Defesa disse que 78 membros da Força Aérea, sendo 74 oficiais, inscreveram ensaios no concurso.

Toshio Motoya, executivo-chefe da imobiliária Apa Group, disse por telefone à Reuters que todos os textos contêm opiniões semelhantes às de Tamogami.

"A opinião do governo e a declaração de Murayama estão erradas, e isso está sendo distorcido pela imprensa", disse Motoya. "Todos os 230 inscritos disseram que o que está sendo ensinado e transmitido pela mídia está errado. Não houve ensaios manifestando uma visão contrária. Foram todos próximos do senhor Tamogami."

Motoya disse participar de um "grupo de amigos" ligado a uma base aérea, mas negou ter promovido o concurso nos quartéis e disse ter ficado surpreso ao ver Tamogami entre os inscritos.

"Nós nos perguntamos se seria correto publicar. Entramos em contato com ele, e ele disse que mantinha firmemente sua opinião e bravamente disse que poderíamos divulgar seu nome e patente."

O ensaio critica as duras restrições impostas aos militares do Japão pela Constituição pacifista do país, promovida pelos EUA após a 2a Guerra Mundial. O brigadeiro pede aos leitores que "recuperem a gloriosa história do Japão".

"A mídia japonesa está dizendo todo tipo de coisas terríveis, mas acho que ele é um samurai com opiniões sensatas", disse Motoya.

O primeiro-ministro Taro Aso está ansioso para encerrar esse assunto, pois dentro de algumas semanas participará de uma cúpula com China e Coréia do Sul no sul do Japão.

O próprio Aso já foi criticado por comentários aparentemente elogiosos à colonização japonesa na península da Coréia (1910-45). Mais recentemente, porém, ele disse concordar com o pedido de desculpas de Murayama.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG