Ofensiva em Gaza vai continuar, diz ministro israelense

O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, afirmou nesta segunda-feira que a ofensiva na Faixa de Gaza vai continuar. Ainda não atingimos nossos objetivos, disse ele a parlamentares israelenses.

BBC Brasil |

Barak afirmou ainda que o grupo militante palestino Hamas sofreu um "duro golpe" desde que os ataques a Gaza começaram, há dez dias.

Entretanto, o Ministério da Saúde palestino disse que pelo menos 90 pessoas foram mortas desde que soldados israelenses entraram por terra em Gaza, no sábado. Segundo o Ministério, a maioria das vítimas são civis que tentavam se proteger em suas próprias casas.

Novos ataques
Durante a última noite, Israel realizou 30 ataques aéreos na região. Há relatos de que fortes explosões foram ouvidas no leste da Cidade de Gaza.

Fontes palestinas dizem que uma família de sete pessoas foi morta nos bombardeios.

Israel proibiu a entrada de jornalistas estrangeiros na Faixa de Gaza, mas um funcionário da BBC baseado ali contou que as tropas israelenses dividiram o território em duas partes e tomaram o controle da principal estrada que o atravessa.

Segundo fontes israelenses, cerca de 4 mil soldados do país estão dentro de Gaza, apoiados por tanques.

Esforços diplomáticos
Os novos ataques ocorrem em meio a novos esforços diplomáticos para se chegar a um cessar-fogo.

Nesta segunda-feira, o responsável pela área de política externa da União Européia, Javier Solana, se encontrou com o presidente do Egito, Hosni Mubarak, no balneário egípcio de Sharm El-Sheikh, e disse esperar conseguir um cessar-fogo logo.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, está a caminho da região, em outra missão, e também deve se encontrar com Mubarak.

Em outra iniciativa, o emissário da Presidência da Rússia, Alexander Saltanov, reuniu-se com a ministra do Exterior de Israel, Tzipi Livni, no domingo, mas não conseguiu persuadi-la a aceitar Moscou como mediador em negociações com o Hamas.

O analista de assuntos internacionais da BBC, Jonathan Marcus, disse que é improvável que toda esta atividade diplomática traga resultados rápidos.

Segundo ele, Israel não deverá suspender as operações antes de conseguir seus objetivos militares e o Hamas dificilmente irá capitular, como mostra seu lançamento contínuo de foguetes contra alvos no sul de Israel.

Foguetes
O Ministério da Saúde palestino afirma que pelo menos 509 palestinos - a maioria civis - foram mortos desde o início dos ataques israelenses. Outras 2,5 mil pessoas ficaram feridas.

Do lado israelense, foi confirmada a morte de um soldado desde o início da ação terrestre. De acordo com o Exército de Israel, outros 34 soldados ficaram feridos, três deles em estado grave.

O Exército afirma que 80% dos mortos na ofensiva terrestre eram militantes do Hamas. O grupo palestino afirma que 10 de seus combatentes foram mortos.

Israel disse que vai permitir a entrada de mais ajuda humanitária em Gaza, entregue por 80 caminhões carregados de comida e remédios.

Apesar da ofensiva terrestre, militantes palestinos continuam lançando foguetes contra o território israelense.

Nas últimas horas, pelo menos 40 mísseis foram lançados contra sul de Israel. Duas pessoas ficaram levemente feridas na região de Eshkol e outra na cidade de Sderot.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG