OEA rechaça novas medidas de imigração da União Européia

WASHINGTON (Reuters) - O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, rechaçou nesta quinta-feira as medidas aprovadas pelo Parlamento Europeu que criminalizam a imigração e que devem afetar os milhões de latino-americanos sem documentação. Com a nova lei, os imigrantes ilegais poderão ser detidos por até 18 meses e seriam proibidos de retornar à União Européia por cinco anos.

Reuters |

'Mais uma vez se aprova no mundo desenvolvido uma medida repressiva e contra os imigrantes ilegais, que afeta diretamente muitos latino-americanos', disse o secretário da OEA em comunicado.

Ele acrescentou que é uma 'paródia' que este países negociem acordos comerciais e falem de alianças estratégicas quando adotam 'medidas como a prisão prolongada, que tratam como deliquentes os imigrantes ilegais, e sem sequer discutir nem negociar o tema com os governos latino-americanos'.

Insulza acrescentou que o fluxo migratório para os países ricos continuará enquanto os latino-americanos não encontrarem trabalho em seus países, e disse que o movimento destas pessoas é uma das consequências da globalização.

'Enquanto por um lado se insiste no caráter positivo do processo de globalização, se recusa a visualizar as conclusões que esse processo produz no movimento das pessoas e se insiste em recusar por razões políticas o que é estimulado através da globalização econômica', disse ele.

O secretário sinalizou que espera que seja possível realizar um 'diálogo construtivo' com as autoridades européias que evite a violação dos direitos humanos dos latino-americanos.

Diversos governos da região também rechaçaram a medida européia que criminaliza a imigração ilegal.

(Reportagem de Adriana Garcia)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG