WASHINGTON - O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) convocou nesta terça-feira uma reunião extraordinária para a próxima quinta-feira, com o objetivo de analisar a lei de expulsão de imigrantes aprovada pelo parlamento europeu.

A reunião foi solicitada pela embaixadora do Peru, Maria Zabala, que declarou que a medida prejudicará muitos imigrantes latino-americanos, especialmente os mais pobres.

A delegação do Paraguai apoiou a apresentação de uma moção contra a lei européia, que também contou com o aval do México, Argentina, Bolívia e Equador, entre outros países.

Somente a delegação norte-americana expressou um apoio tímido à resolução do parlamento europeu, sustentando que a lei ainda não foi colocada em prática, por isso não se conhecem seus efeitos.

O parlamento europeu aprovou no dia 18 de junho uma lei que prevê a deportação de imigrantes ilegais e permite aos países da União Européia prender imigrantes sem documentos por um período de seis meses, que podem ser estendidos para até 18 meses.

A medida foi rechaçada por vários países latino-americanos. O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, também se pronunciou contra a lei e apoiou a proposta peruana de analisar o tema em uma reunião extraordinária.

"É um paradoxo que enquanto são negociados acordos importantes na área comercial e se fala de alianças estratégicas, são adotadas de maneira unilateral medidas como a detenção prolongada, que tratam como delinqüentes os imigrantes ilegais, sem nem mesmo discutir ou negociar o tema com os governos latino-americanos", disse Insulza.

A representante do Peru, María Zavala, considerou "polêmicas" algumas das medidas adotadas pela União Européia, que "trará sérios contratempos à reunião familiar e prejudicará os grupos mais vulneráveis".

Ela afirmou que esta lei afetará oito milhões de pessoas, entre elas "um bom número de cidadãos procedentes da América Latina".

Zavala manifestou preocupação com uma das disposições que contempla o internamento, por até 18 meses, dos imigrantes que se encontrem em situação irregular.



(*com informações da EFE e Ansa)

Leia mais sobre: imigração

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.