Ocidente propõe negociações ao Irã e ameaça com sanções

Por Kerstin Gehmlich e Noah Barkin MUNIQUE, Alemanha (Reuters) - Potências ocidentais disseram neste sábado que o Irã corre o risco de se isolar e sofrer mais sanções se não atender às demandas de controle de seu programa nuclear. No entanto, o governo norte-americano também reafirmou sua oferta de conversações com o país.

Reuters |

Falando na Conferência de Segurança de Munique, durante sua primeira viagem à Europa como vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden afirmou que a comunidade internacional tem de trabalhar em conjunto para convencer o Irã a abdicar do desenvolvimento de armas nucleares.

"Vamos querer conversar com o Irã e oferecer uma opção muito clara: continuem com seu caminho atual e haverá pressão e isolamento; abandonem o programa nuclear ilícito e seu apoio ao terrorismo, e então haverá incentivos significativos", disse Biden.

Os comentários de Biden estavam em sintonia com as declarações da primeira-ministra alemã, a chanceler Angela Merkel, que disse esperar uma solução diplomática para a disputa, mas ela acrescentou:

"Acho que o novo governo dos EUA vai tornar clara nos próximos meses sua abordagem em relação ao Irã... Nós estamos prontos a percorrer juntos esse caminho. Mas também estamos prontos para sanções mais duras, se não houver progresso."

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse na mesma conferência que não há alternativa ao endurecimento das sanções contra o Irã se o país não atender às exigências do Ocidente. Ele pediu que a Rússia coopere com as outras potências nessa iniciativa.

"Precisamos que os russos ajudem para que as sanções contra o Irã sejam eficazes", disse Sarkozy. "Só sobrou uma solução, reforçar as sanções contra o Irã e ligar a Rússia a esse processo... Cabe à Rússia decidir que face quer mostrar. Se quer paz, deveria mostrar isso. Se quer ser um ator global, deveria nos ajudar com o Irã", afirmou o líder francês.

Sarkozy disse que o anúncio iraniano de que lançou um satélite em órbita pela primeira vez é "notícia extremamente ruim".

O presidente do parlamento iraniano, Ali Larijani, declarou na conferência na sexta-feira que a nova direção na Casa Branca poderia reconstruir algumas das pontes que foram destruídas pelo governo Bush.

Mas Larijani disse que isso requer uma "estratégia pragmática baseada em um jogo limpo" e questionou se uma mudança de tom do novo presidente, Barack Obama, significava de fato que os EUA estão preparados para trabalhar para uma solução diplomática com o Irã.

O Conselho de Segurança da ONU impôs três rodadas de sanções sobre o Irã, depois que o país se recusou a suspender o enriquecimento de urânio. As potências ocidentais suspeitam que essa atividade tem por objetivo a fabricação de uma bomba nuclear. O Irã diz que seu objetivo é pacífico, de geração de energia elétrica.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG