(acrescenta declarações dos EUA e do Irã) Viena, 24 set (EFE).- A União Européia (UE) expressou hoje, em Viena, durante uma reunião do Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), seu temor de que o Irã esteja prosseguindo com um programa para obter bombas atômicas, enquanto os Estados Unidos acusaram Teerã de impedir investigações.

Em referência a uma suposta "dimensão militar" do polêmico programa nuclear iraniano, o representante da França disse hoje no plenário do conselho - em nome da UE - que as informações disponíveis "fazem crer que o Irã prosseguiu de maneira pontual um programa com o objetivo de adquirir uma arma nuclear".

Em todo caso, reconheceu que estas acusações "ainda devem ser verificadas", segundo o texto do discurso apresentado hoje pela delegação francesa perante o órgão executivo da AIEA.

Os inspetores da AIEA tentam esclarecer há meses a veracidade de supostas provas, apresentadas pelos EUA e países da UE, de que o Irã realizou estudos relacionados com a construção de armas nucleares.

O embaixador americano perante a AIEA, Gregory Schulte, disse que o Irã "colocou toda uma série de bloqueios" para evitar que a investigação do organismo siga adiante.

UE e EUA criticaram mais uma vez o Irã por não suspender seu programa de enriquecimento de urânio.

O Irã "acumula urânio pouco enriquecido diante de nossos olhos e dos inspetores, sem justificativa civil", acrescentou o representante francês, que qualificou este fato de "alarmante".

"Se o Irã não aproveitar a oportunidade de falar suspendendo suas atividades de enriquecimento, o preço será mais isolamento internacional", ressaltou o embaixador americano.

Já o representante iraniano perante a AIEA, Ali Asghar Solantieh, ignorou as acusações e advertências.

Perante o conselho, assegurou que todos os assuntos pendentes na investigação "foram resolvidos" e que, por isso, a AIEA deveria voltar a realizar inspeções rotineiras no Irã de acordo com o que se havia pactuado.

Mais tarde, perante a imprensa, Solantieh acusou o bloco ocidental de "arrogância" e lembrou que os países que hoje querem vigiar as atividades nucleares iranianas "viviam na selva" ou "nem sequer tinham sido descobertos quando o Irã já era uma civilização avançada". EFE jk/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.