Ocidentais eram alvo de terroristas que atacaram hotel na Indonésia

Sydney (Austrália) - Um grupo de ocidentais era o alvo do terrorista suicida que explodiu uma bomba no hotel Marriott de Jacarta, em um atentado que deixou seis mortos, do total de nove, nas ações cometidas na sexta-feira na capital indonésia, afirmou a imprensa australiana, citando testemunhas.

EFE |

Didik Taufik, segurança do local, contou em entrevista publicada no "Sydney Morning Herald" que o terrorista entrou na cafeteria do Marriott com uma mochila e uma mala e disse que tinha que entregar um laptop a seu chefe, e em seguida apontou para uma uma sala reservada do estabelecimento.

Outro vigia o acompanhou até o local onde o empresário americano James Castle tinha convidado para um café da manhã um grupo de 19 ocidentais e indonésios. O terrorista, então, detonou as bombas que carregava consigo, informou o jornal "The Australian".

A explosão matou imediatamente o terrorista e os australianos Garth McEvoy, executivo mineiro; o diplomata do departamento de Comércio Craig Senger e o diretor de Recursos Humanos Nathan Verity.

A ação também deixou mortos o empresário neozelandês Tim McKay e um garçom do hotel chamado Evert.

Testemunhas afirmam que o colega do terrorista saiu da cafeteria no meio da confusão e usou o túnel que conecta o Marriott ao Ritz-Carlton para explodir sua bomba no segundo estabelecimento, dez minutos depois. Nessa ação outras três pessoas morreram.

A ligação entre os prédios é utilizada normalmente por funcionários, por isso não há vigilância, de acordo com testemunhas citadas pela imprensa.

A Polícia indonésia investiga se existe ligação entre o terrorista do Marriott, que, segundo fontes islâmicas, seria Nur Hasbi, e Asmar Latin Sani, autor do atentado suicida contra o mesmo hotel em 2003, no qual morreram 12 pessoas, indicou a rádio "ABC".

Nur Hasbi estudou com Latin Sani na escola islâmica de Java Central, dirigida pelo clérigo radical Abu Bakar Bashir.

Ele também conhece o malaio Noordin Mohammed Top, especialista na fabricação de bombas da Jemaah Islamiya - o braço da Al Qaeda no Sudeste Asiático -, acusado de participar do planejamento dos atentados de Bali de 2002, que deixaram 202 mortos.

As autoridades indonésias atribuem os atentados a uma facção dissidente da Jemaah Islamiya liderada pelo malaio.

Leia mais sobre: Indonésia

    Leia tudo sobre: explosãoindonésiaterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG