OCDE recomenda evitar falar de pior cenário da gripe

Paris, 6 mai (EFE).- O secretário-geral da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Gurría, evitou hoje avaliar o impacto econômico da gripe suína na economia mundial caso se alcançasse o máximo nível de alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS).

EFE |

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados.

"É preciso evitar falar de um cenário que hoje não parece que esteja acontecendo", disse o principal responsável da OCDE, após uma entrevista coletiva com o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), Jacques Diouf.

Gurría preferiu lançar uma mensagem de otimismo, ao dizer que "temos boas notícias do México", já que parece que "estamos em uma etapa na qual (o problema) está declinando".

Sobre a incidência da gripe na economia mexicana, Gurría não corrigiu os dados das autoridades mexicanas, que estimam que a queda do Produto Interno Bruto (PIB) do país americano pode cair até 0,5% este ano.

"Está previsto que a economia mexicana contraia em 2009, inclusive sem o tema da gripe", que apenas "agrava" a situação, comentou Gurría.

A gripe suína "tira dias de trabalho, dias de escola, dias de atividades econômicas e serviços" do problema econômico, já que é a forma "drástica de evitar a propagação de uma doença contagiosa", concluiu. EFE jaf/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG