PARIS (Reuters) - A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) convidou o Chile nesta terça-feira para integrar a entidade, o que segundo Santiago se traduzirá em mais colaboração para o avanço de uma das economias mais estáveis da América Latina. O convite para o país se tornar o membro número 31 da entidade, composta em sua maioria por economias desenvolvidas que representam 70 por cento do mercado mundial, foi feito pelo presidente da OCDE, Angel Gurría, em encontro na sede da instituição em Paris.

"Esta é uma associação de países democráticos, com as instituições mais fortes, os Estados mais transparentes e os melhores instrumentos para lutar contra a pobreza e a desigualdade", disse o ministro chileno da Fazenda, Andrés Velasco, em comunicado.

"Estando sentados nesta mesa, avançaremos mais rápido, avançaremos melhor para o benefício de todo o povo do Chile", afirmou.

Velasco presidiu em Paris a delegação chilena que participou do encontro da OCDE.

Após receber o convite, o próximo passo é a assinatura de uma convenção da OCDE pela qual o Chile adere ao organismo, o que deve ocorrer em Santiago durante a primeira quinzena de janeiro de 2010, pouco antes do segundo turno da eleição presidencial do país.

A OCDE, integrada por 30 países, agrupa nações avançadas e desenvolvidas. O México é o único membro latino-americano na organização.

(Reportagem de Antonio de la Jara e Bianca Frigiani em Santiago)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.