OCDE critica Grã-Bretanha por falta de ação anti-suborno

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) criticou a Grã-Bretanha pela falta de ação no combate a subornos em um relatório divulgado nesta sexta-feira em Paris. O documento foi elaborado pelo grupo de trabalho que estuda o arquivamento, por parte do governo britânico, de uma investigação sobre o pagamento de subornos pela companhia de defesa britânica BAE Systems na Arábia Saudita.

BBC Brasil |

O grupo afirma estar "decepcionado e seriamente preocupado" com o fracasso contínuo do país em aprimorar a legislação anti-suborno e alinhar suas leis de acordo com as obrigações internacionais estabelecidas pela OCDE.

Outra crítica presente no documento diz respeito à dificuldade enfrentada pelos promotores em conseguir formular um caso efetivo contra as empresas britânicas que pagam suborno no exterior.

Segundo a OCDE, apesar de ter ratificado a Convenção Anti-Suborno, há dez anos, a Grã-Bretanha não teve sucesso em processar nenhuma empresa por crimes do tipo.

Recomendações
O relatório faz algumas recomendações ao governo britânico e afirma que as mudanças são importantes e devem ser tratadas como prioridade.

"Algumas reformas são necessárias e devem ser tratadas como um assunto de prioridade política", diz o documento.

Entre as recomendações da OCDE estão a adoção de uma legislação mais moderna contra subornos e a necessidade de formular medidas para garantir que as regras estabelecidas pela convenção sejam cumpridas no país.

O grupo pediu ainda que o governo britânico envie relatórios trimestrais sobre o progresso das reformas legislativas para avaliação da OCDE.

Em dezembro de 2006, o governo britânico decidiu suspender uma investigação do Departamento Antifraudes sobre o acordo Al-Yamamah, assinado em 1985, para a venda de aviões militares e armas à Arábia Saudita.

As autoridades britânicas afirmam que o arquivamento do caso foi decidido por questões de segurança nacional.

No entanto, a OCDE afirma que o governo deveria ter procurado soluções alternativas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG