Obama vira símbolo de mudança ao se tornar 1º presidente negro nos EUA

Teresa Bouza. Washington, 5 nov (EFE).- Barack Obama, um político pouco conhecido há oito anos e que acaba de ser eleito presidente dos Estados Unidos, segundo projeções da CNN, é o primeiro negro a assumir o cargo e costuma dizer que embarcou em uma viagem incerta e para a qual poucos teriam imaginado um final feliz.

EFE |

A história do candidato presidencial democrata é, como ele mesmo gosta de dizer, "pouco convencional".

Nascido em 1961 no Havaí, é filho de Stanley Ann Dunham, uma antropóloga nascida no Kansas, e de Barack Obama Sr., um economista queniano educado em Harvard, ambos já falecidos.

Dunham e Obama Sr. se separaram quando ele tinha dois anos. Obama só voltou a ver seu pai mais uma vez, quando ele fez uma visita aos EUA.

Sua mãe voltou a se casar com Lolo Soetoro-Ng, um cidadão da Indonésia, onde Obama passou vários anos de sua infância antes de retornar ao Havaí aos dez anos para viver com seus avós maternos e ter acesso, assim, a uma melhor educação.

Segundo Obama, essas mudanças em sua vida o equiparam com as ferramentas necessárias para construir pontes e criar alianças.

Sua meia irmã, Maya Soetoro-Ng, prefere definir Obama de outra maneira. "Ele se movimenta entre vários mundos, é o que fez em toda sua vida", comentou.

Batizado por alguns como "a grande esperança", por encarnar o sonho de reconciliação em um país com profundas divisões raciais, Obama ganhou relevância no panorama político americano durante a Convenção Nacional do Partido Democrata em Boston, em 2004.

Foi ali que ele pronunciou um discurso, chamado por muitos de histórico, em que pediu que fossem fechadas as feridas raciais abertas no país.

"Não há um EUA branco e um EUA negro, mas os EUA da América", disse na ocasião.

Além de conciliatória e unificadora, a mensagem do jovem senador por Illinois foi também uma mensagem de esperança, ingredientes que dominam sua retórica desde então.

Com discursos que mencionam, por exemplo, a situação de "escravos entoando cânticos de liberdade" e de imigrantes, Obama, filho de pai negro e mãe branca sempre acreditou que nos EUA também havia um lugar no país para gente como ele.

Sua adolescência no Havaí foi marcada não só por uma destacada trajetória escolar, mas também por anos de rebeldia e, até por experiência com drogas, como ele mesmo já admitiu.

Esses anos foram seguidos por sua formação nas universidades de Columbia e Harvard, a etapa como professor e defensor dos direitos civis em Chicago e sua eleição como senador por Illinois em 2004.

Favorecido por seu carisma, Obama conquistou uma popularidade similar à de uma estrela de rock, que seus adversários políticos utilizaram contra ele para apresentá-lo como uma mera celebridade com muita lábia e pouco preparo para os desafios do poder.

Seus dois livros autobiográficos "The Audacity of Hope" e "Dreams From my Father" entraram para a lista dos mais vendidos nos EUA.

Analistas políticos mencionam com freqüência que o segredo de seu sucesso segue uma técnica básica: o poder da palavra.

Obama afirma que não tinha consciência do poder de sua oratória até ter participado de uma manifestação contra a segregação racial na universidade, quando descobriu que tinha captado a atenção dos presentes assim que começou a discursar.

Os presentes "ficaram calados e me olhavam", lembra Obama em "Dreams From my Father".

Sua carreira política arrancou, curiosamente, com discursos que não despertavam grande interesse do público e nos quais predominavam os detalhes sobre seus programas.

Isso começou a mudar em 2004, durante sua campanha ao Senado, quando introduziu os elementos "esperança, mudança e futuro", que dominam a entusiasta retórica que tão bons resultados lhe rendeu.

Obama é casado com Michelle Robinson Obama. O casal tem duas filhas, Malia Ann e Natasha. EFE tb/ab/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG