Obama vence em Ohio e consolida vantagem

Por John Whitesides WASHINGTON (Reuters) - O democrata Barack Obama conquistou uma vitória crucial em Ohio e assumiu definitivamente a liderança na disputa presidencial de terça-feira nos EUA. Agora, só uma série de vitórias em Estados ainda indefinidos salva o republicano John McCain.

Reuters |

As redes de TV já projetaram a vitória de Obama em Ohio, Estado que em 2004, numa votação apertada, deu a reeleição ao republicano George W. Bush. Ohio tem 20 votos no Colégio Eleitoral.

A expressiva vitória, junto com o resultado positivo para Obama na Pensilvânia --que era o único Estado de tendência democrata onde McCain ainda tinha esperanças--, deixa o senador às portas de uma conquista histórica da Casa Branca, numa campanha dominada pela crise econômica.

A Fox News e a CNN também projetaram a vitória de Obama no Novo México (cinco votos eleitorais), outro Estado onde Bush venceu em 2004.

As vitórias de Ohio e Novo México já deixam Obama a apenas 71 votos da vitória --algo que ele pode conseguir nos Estados onde é franco favorito, especialmente na Costa Oeste.

"A esta altura, precisamos de um milagre", admitiu um assessor de McCain ao site da CBS News.

Se confirmada a vitória, Barack Hussein Obama, 47 anos, filho de um negro do Quênia com uma branca do Kansas será o primeiro negro a governar os Estados Unidos, num marco para a história dos EUA, 45 anos depois do auge do movimento pelos direitos civis liderado pelo reverendo Martin Luther King.

Uma enorme multidão de seguidores de Obama se aglomera num parque de Chicago, onde espera um discurso do candidato. A platéia vibra a cada resultado positivo que é anunciado.

Obama e McCain mantêm ainda uma disputa equilibrada na Flórida, Virgínia, Carolina do Norte e Indiana. Em mais de metade do país as urnas já estão fechadas.

Uma eventual e improvável virada de McCain faria do senador e ex-prisioneiro de guerra no Vietnã a pessoa mais velha a assumir o governo dos EUA, ao 72 anos. Sua companheira de chapa, Sarah Palin, seria a primeira mulher vice-presidente do país.

O dia da eleição foi marcado por enormes filas nos Estados eleitoralmente mais importantes, mas não houve irregularidades graves. Estima-se que 130 milhões de norte-americanos tenham participado da escolha do sucessor do impopular George W. Bush.

O vencedor enfrentará enormes desafios nos próximos quatro anos, como a crise econômica, as guerras do Iraque e Afeganistão e a necessidade de reformar o sistema de saúde pública.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG