Obama vai a NY pedir apoio a reforma do sistema financeiro dos EUA

O presidente americano, Barack Obama, fará um discurso nesta quinta-feira em Nova York para defender as propostas dos democratas no Congresso de reforma no sistema financeiro.

BBC Brasil |

O Partido Democrata tenta aprovar um projeto de lei que reforma aspectos bastante amplos dos mecanismos econômicos americanos, das normas que lidam com falência de grandes bancos à concessão de hipotecas e cartões de crédito aos consumidores.

No entanto, as propostas sofrem resistência do Partido Republicano nas duas casas do Congresso. Os republicanos concordam que é necessário reformar o sistema financeiro americano, mas todos os 41 senadores do partido assinaram uma carta que declara oposição às propostas democratas.

'Liquidação organizada'

Na véspera do discurso, Obama disse em entrevista à rede de televisão CNBC que os americanos estavam em uma situação na qual não havia outra opção que não fosse deixar a economia "entrar em colapso por causa da irresponsabilidade de Wall Street" ou acabar tendo que bancar corporações em dificuldades.

"A grande maioria dos americanos acredita ser inaceitável uma situação na qual cara, você ganha, e coroa, eu perco", disse Obama na entrevista na noite de quarta-feira.

Entre as diferentes propostas, o projeto apresentado pelos democratas prevê um processo de "liquidação financeira organizada" de instituições financeiras que são "consideradas grandes demais para falir".

Um dos momentos-chave da recente crise financeira foi quando o governo americano deixou de resgatar o banco Lehman Brothers, em setembro de 2008, quando muitos no mercado acreditavam que o governo salvaria bancos grandes demais em casos de emergência.

O projeto democrata prevê a criação de um fundo de US$ 50 bilhões para ajudar no processo de falência de grandes bancos.

Outra proposta é a criação de um escritório de proteção financeira aos consumidores, responsável por impedir que bancos ofereçam planos de crédito e hipotecas considerados economicamente insustentáveis.

O projeto de lei também regula o mercado de derivativos - investimentos financeiros complexos de alto risco que também foram um ingrediente importante no agravamento da crise financeira mundial.

Obama discursará ao meio-dia (11h em Brasília) na faculdade de Cooper Union, em Nova York.

O local tem uma importância simbólica, por sua proximidade com Wall Street, o centro financeiro americano, e por já ter sido palco de outros discursos de líderes americanos.

Em março de 2008, o próprio Obama, ainda candidato presidencial na época, defendeu em um discurso em Cooper Union regras mais rígidas para o setor financeiro.

Leia mais sobre Barack Obama

    Leia tudo sobre: nova yorkobama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG