Obama usa todas as armas para promover proposta orçamentária

Macarena Vidal. Washington, 19 mar (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, usou hoje em uma viagem pela Califórnia todas as armas a sua disposição para promover diretamente entre o público sua proposta orçamentária, pendente de aprovação no Congresso.

EFE |

Obama aprendeu a lição do ocorrido em fevereiro, quando somente três republicanos votaram no Congresso a favor do plano de estímulo econômico de US$ 787 bilhões defendido pela Casa Branca.

O governante quer agora apelar diretamente ao público e aproveitar sua popularidade - ainda muito alta, em torno de 60% - para promover sua proposta orçamentária.

Por isso, escolheu o estado da Califórnia, um dos mais democratas de EUA, para manter durante uma viagem de um dia e meio uma série de sessões de perguntas e respostas com os eleitores.

Obama se encontrou hoje com vários representantes dos moradores de Los Angeles na sede da Prefeitura.

Também estavam presentes no encontro o governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger; o prefeito da cidade, Antonio Villaraigosa, e a secretária de Trabalho, Hilda Solís.

"No debate, querem saber se estamos dispostos a fazer o que for preciso não só para que nossa economia seja estimulada atualmente, mas também para colocá-la no caminho de uma prosperidade duradoura e compartilhada", destacou o governante.

A proposta orçamentária apresentada por Obama, de US$ 3,6 trilhões e cujos detalhes completos serão divulgados em abril, enfatiza investimentos em energias renováveis, na reforma do sistema sanitário e na educação.

A Casa Branca calcula que este orçamento elevará o déficit fiscal dos atuais US$ 1,3 trilhão para cerca de US$ 1,8 trilhão.

A iniciativa orçamentária foi recebida com críticas não só entre a oposição republicana, mas também entre legisladores democratas moderados, que consideram que a prioridade deve ser reduzir o déficit fiscal.

Em seu discurso, Obama lembrou que se comprometeu a recortar o déficit pela metade em quatro anos.

"Temos de escrever linha por linha nos livros de contabilidade para reduzir o déficit à metade no final do meu primeiro mandato, e recortá-lo em US$ 2 trilhões na próxima década".

O presidente continuará esta noite sua estratégia de mensagem direta ao público com uma participação no talk show "The Tonight Show With Jay Leno", na primeira ocasião em que um chefe de Estado em exercício aparece em um programa como este.

A Casa Branca indicou que, durante sua participação no programa, Obama não tentará demonstrar seu senso do humor, mas insistirá em sua mensagem sobre a economia.

O governante repetirá sua mensagem em entrevista concedida ao prestigioso programa informativo "60 Minutes", que gravará nesta sexta-feira e será exibida no próximo domingo.

Sua estratégia de se dirigir diretamente ao público terminará na terça-feira com uma entrevista coletiva exibida em horário nobre nos Estados Unidos, às 20h locais (21h de Brasília).

Obama também visitou hoje uma fábrica de veículos elétricos em Pomona para promover o investimento em energias renováveis, uma das prioridades de seu orçamento.

"Temos diante de nós uma alternativa: podemos continuar sendo um dos principais importadores de petróleo do mundo, ou podemos realizar investimentos que permitirão nossa conversão no principal exportador de energias renováveis", sustentou. EFE mv/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG