Obama tenta convencer palestinos a desistir de adesão à ONU

No dia da abertura de Assembleia Geral, líder terá reuniões com Abbas e Netanyahu em busca da retomada de negociações

iG São Paulo |

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fará nesta quarta-feira um apelo público para que a Autoridade Nacional Palestina (ANP) desista de pedir o reconhecimento do Estado palestino pela Organização das Nações Unidas (ONU). O pedido será feito no discurso de Obama durante a Assembleia Geral da organização, que começa hoje, e será seguido de reuniões separadas com líderes palestinos e israelenses para tentar convencê-los a voltar às negociações.

AP
Palestinos participam de manifestação a favor da adesão de seu Estado à ONU na Cisjordânia

O presidente da ANP, Mahmoud Abbas, pretende formalizar o pedido de adesão à ONU na sexta-feira. Durante a reunião com o líder palestino nesta quarta-feira, Obama pretende pedir que ele desista da medida.

"O presidente dirá privadamente o que dirá em público: que os EUA não acreditam que esta seja a melhor forma de tornar realidade as aspirações palestinas", afirmou o assessor-adjunto de Segurança Nacional da Casa Branca, Ben Rhodes. "Não há atalho para a paz".

Os governos israelense e americano dizem que o reconhecimento do Estado palestino deveria se dar por meio de negociações diretas, e que o pedido palestino à ONU inviabilizará o processo de paz do Oriente Médio. Os palestinos dizem que se viram obrigados a recorrer à ONU devido à paralisação das negociações com Israel.

Obama quer evitar que a questão chegue ao Conselho de Segurança - onde as adesões precisam ser aprovadas - porque o uso do poder de veto acarretaria graves riscos políticos para os EUA num momento de turbulências políticas no Oriente Médio.

Numa última tentativa de evitar o impasse, diplomatas do chamado Quarteto de Negociadores do Oriente Médio - EUA, Rússia, União Europeia e ONU - estão realizando várias reuniões nesta semana, mas até agora sem sinais de avanços. Abbas pretende formalizar a candidatura na sexta-feira.

Na reunião com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Obama deve discutir formas de dissuadir Abbas, além de pressionar o israelense a melhorar suas relações com Egito e Turquia, dois importantes aliados islâmicos dos EUA na região.

Protesto

Para marcar a abertura da Assembleia Geral da ONU, milhares de palestinos fazem manifestações em diversas cidades da Cisjordânia. Cerca de 15 mil palestinos estão concentrados na praça Yasser Arafat em Ramallah para reivindicar que a Palestina se torne o Estado 194 da ONU.

A maior praça da capital administrativa palestina está repleta de homens, mulheres e crianças que agitam centenas de bandeiras e pedem que a comunidade internacional reconheça o "direito dos palestinos à dignidade e à sua terra".

A praça está decorada com grandes cartazes com o lema "ONU Estado Palestino 194" e imagens do histórico líder palestino Yasser Arafat e de Abbas.

"É nosso direito após tanto tempo, não só para ter o nome de Estado, mas também para recuperar a dignidade que tentaram nos roubar e que defendemos durante 64 anos", afirmou a governadora de Ramala, Laila Ghannam, em discurso na praça.

No evento, o secretário-geral da Presidência da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Tayyip Abderrahim, alertou que os palestinos não desistirão de lutar por seus direitos.

Com AP, Reuters e EFE

    Leia tudo sobre: israelobamaonuestado palestinopalestinoseua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG