Obama saúda 'sacrifício' dos soldados que combatem no Afeganistão

Em comunicado para marcar dez anos de conflito, presidente ressalta que EUA estão mais próximos 'do que nunca' de vencer Al-Qaeda

iG São Paulo |

O presidente americano, Barack Obama, saudou nesta sexta-feira o "sacrifício" dos soldados que combateram no Afeganistão desde o início da guerra, há dez anos, e afirmou que os Estados Unidos estão prestes a pôr fim às operações neste país e no Iraque "de forma responsável". Obama marcou o aniversário do conflito de forma discreta, por meio de um comunicado. Ele também destacou que os EUA estão mais próximos "do que nunca" de vencer a Al-Qaeda.

"Há dez anos hoje, em resposta aos atentados de 11 de Setembro , nosso país entrou em guerra com a Al-Qaeda e com seus protetores talebans no Afeganistão", lembrou Obama no comunicado, referindo-se a uma "década de sacrifício" que custou a vida de "cerca de 1,7 mil patriotas americanos".

Obama disse que ele e sua esposa, Michelle, estavam unidos a todos os americanos para saudar mais de meio milhão de homens e mulheres que "valorosamente" serviram no Afeganistão e tornaram os EUA mais seguro. "Depois de uma década difícil, estamos ponto fim de forma responsável às guerras de hoje (Afeganistão e Iraque) em uma posição de força", assegurou Obama.

O presidente disse também que os EUA estão mais próximos "do que nunca" de vencer a Al-Qaeda "e sua rede mortífera". "Apesar das enormes dificuldades que persistem no Afeganistão, expulsamos os talebans de seus principais redutos, as forças de segurança afegãs se fortalecem e os afegãos têm novas oportunidades para definir seu futuro".

Em 2010, Obama atendeu às pressões internas e prometeu agilizar o processo de retirada das tropas do Afeganistão, que está previsto para estar completo em 2014. Em dez anos de conflito, foram mortos 2.753 soldados da Força Internacional de Assistência na Segurança (Isaf), operação da Otan no país asiático, e mais de 12 mil civis.

Recentemente, a embaixada dos EUA e a base da Otan em Cabul sofreram atentados. As tentativas de diálogo com o Taleban se provaram ineficazes com o assassinato do ex-presidente afegão Burnahuddin Rabbani , principal mediador do governo com o grupo militante.

Com AFP e AP

    Leia tudo sobre: 10 anos afeganistãoguerraeuaobamataleban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG