Obama renuncia a fundos públicos para financiar campanha

Washington, 19 jun (EFE) - O virtual candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, renunciou hoje aos fundos públicos para financiar a campanha à Presidência dos Estados Unidos, o que o deixa livre para gastar os centenas de milhões de dólares que recebe em doações privadas. O anúncio, feito através de um e-mail enviado aos simpatizantes do senador por Illinois, informa que Obama não utilizará os US$ 85 milhões em fundos públicos que teria à disposição quando fosse proclamado oficialmente candidato na convenção democrata de agosto em Denver (Colorado). No e-mail, Obama explica que esta não foi uma decisão fácil. Especialmente porque apóio a existência de um sistema forte de financiamento público das campanhas, acrescentou. No entanto, avaliou que o sistema público de financiamento para as eleições presidenciais, como existe, não funciona. E enfrentamos oponentes que são mestres em se movimentar neste sistema.

EFE |

Desta forma, o virtual candidato democrata se transformará no primeiro adversário presidencial que abre mão do financiamento público para a campanha desde que o sistema foi criado, em 1976, depois do escândalo de Watergate.

Segundo este sistema, os candidatos se comprometem a gastar só os fundos públicos, e não podem obter dinheiro obtido de contribuições privadas.

Mas, ao tomar esta decisão, Obama poderá gastar um valor ilimitado de dinheiro, o que é uma vantagem para alguém que demonstrou ter grande capacidade para atrair fundos e doações.

Desde que anunciou que se candidatava à Presidência, em janeiro de 2007, Obama obteve US$ 272 milhões, dos quais US$ 30 milhões foram arrecadados só em abril, o último mês sobre o qual há dados.

O valor é mais que o dobro do levantado por seu adversário republicano, John McCain, que só obteve US$ 100 milhões, sendo US$ 18 milhões em abril.

Em comunicado divulgado hoje, um porta-voz da campanha de McCain lamentou que Obama, ao tomar esta decisão, "tenha se revelado como outro típico político que diz e faz o que for necessário para tirar proveito".

"O verdadeiro teste para um candidato presidencial é se mantém seus princípios e sua palavras perante o povo americano", disse Jill Hazelbaker, diretor da campanha de McCain.

"E Barack Obama falhou no teste hoje. Sua decisão de voltar atrás da promessa de participar dos fundos públicos afeta o apelo (de Obama) para um novo tipo de política", acrescentou. EFE pgp/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG