Obama quer representação dos EUA na Coreia do Norte, diz agência

Por Jon Herskovitz SEUL (Reuters) - O presidente dos EUA, Barack Obama, propôs a criação no ano que vem de um escritório de representação na Coreia do Norte, numa medida destinada a atenuar a tensão entre os dois países rivais, disse a agência sul-coreana de notícias Yonhap nesta sexta-feira.

Reuters |

A oferta consta numa carta entregue ao líder norte-coreano, Kim Jong-il, pelo representante especial de Obama para a Coreia do Norte, Stephen Bosworth, na sua primeira visita ao país comunista, no último dia 9, segundo relato de fontes diplomáticas em Pequim à agência.

O objetivo de Bosworth era convencer a Coreia do Norte a retomar a negociação multilateral sobre a suspensão do seu programa nuclear.

Horas depois do despacho da Yonhap, a KCNA, agência oficial de notícias da Coreia do Norte, confirmou que a carta de Obama a Kim fora entregue por Bosworth ao vice-ministro Kang Sok-ju, considerado o mentor da política nuclear norte-coreana. A KCNA não entrou em detalhes.

O Departamento de Estado dos EUA disse que não comentaria.

De acordo com a Yonhap, Obama afirmou que o escritório de ligação poderia ser instalado se Pyongyang abandonar nos próximos meses seu boicote às negociações nucleares, que já dura um ano. As negociações envolvem EUA, China, Rússia, Japão e as duas Coreias.

A Coreia do Norte, que vê sua economia se enfraquecer ainda mais desde o rompimento do diálogo, sugeriu estar disposta a retomá-lo depois da reunião de Bosworth com a sua principal autoridade em questões de política nuclear.

Os raros contatos entre os dois países, que não mantêm relações diplomáticas, costumam ocorrer por intermédio da delegação norte-coreana na ONU, em Nova York.

(Reportagem adicional de Shin Ji-eun e Andrew Quinn em Washington)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG