Obama quer dar mais voz a países emergentes no FMI

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, quer reformar o Fundo Monetário Internacional (FMI) para dar mais voz às nações em desenvolvimento dentro da instituição, disse Timothy Geithner, indicado de Obama para secretário do Tesouro, na quinta-feira. Precisamos mandar um sinal forte de que estamos prontos para dar mais voz aos países em desenvolvimento dentro do FMI, uma voz que corresponda à sua importância na economia mundial, Geithner disse, em respostas por escrito, depois de uma audiência do Congresso sobre sua nomeação, feita na quarta-feira.

Reuters |

Sua indicação ganhou o apoio do Comitê de Finanças do Senado na quinta-feira, apesar das preocupações de alguns parlamentares em relação o fato dele não ter pago 34 mil dólares em impostos, na época em que trabalhava no FMI.

Geithner, que trabalhou no departamento de política e análise do FMI de 2001 a 2003, disse que o governo de Obama trabalhará com o Congresso para fazer reformas no FMI, do qual os Estados Unidos são os principais acionistas.

O governo do ex-presidente norte-americano, George W. Bush, apoiou a decisão do FMI, feita em março do ano passado, de redistribuir o poder de voto, ou cotas, entre os 185 membros e aumentar a influência de países emergentes como a China, a Índia, o Brasil, o México e a Coréia do Sul.

Os Estados Unidos e países europeus são relutantes em abrir mão de sua hegemonia no órgão multilateral de empréstimos --os Estados Unidos se recusavam a abdicar de seu poder de veto.

A decisão da reforma das cotas do FMI atualmente espera a aprovação do Congresso norte-americano.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG