Obama promete nova página nas relações com a América Latina

WASHINGTON - O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, aproveitou sua reunião com o governante mexicano, Felipe Calderón, nesta segunda-feira, para prometer uma nova página nas relações entre seu país e a América Latina durante seu mandato.

EFE |


Na reunião, a primeira entre Obama e um líder estrangeiro após a vitória nas eleições de novembro do ano passado, Calderón pediu uma aliança estratégica para discutir assuntos de preocupação mútua.

Obama, que se reuniu com Calderón em um dos salões do Instituto Cultural Mexicano em Washington, prometeu que apesar, das "tensões dos últimos anos" nas relações dos EUA com a América Latina, seu mandato abrirá "uma nova página, um novo capítulo" com a região.

Seu antecessor, George W. Bush, chegou à Casa Branca com a promessa de que daria um impulso às relações com a América Latina, mas durante seus oito anos de mandato a região se sentiu preterida, enquanto as relações com regimes populistas como Venezuela, Equador e Bolívia se deterioraram.

Com relação ao México, o presidente eleito insistiu em que o país vizinho é "um forte aliado", e que durante seu mandato pode ser "ainda mais forte". Entre outros aspectos, Obama citou a colaboração em matéria de energia e meio ambiente.

Seu governo, assegurou, estará "preparado desde o primeiro dia" após assumir o poder em 20 de janeiro, para manter uma "forte relação" com o México.

No encontro, que durou quase duas horas, os dois líderes abordaram "de maneira geral" questões como o comércio, a imigração e a violência procedente do narcotráfico que afeta o México.

Obama elogiou a "extraordinária coragem" do líder mexicano na luta contra o narcotráfico, enquanto Calderón sustentou que a conversa representa "o princípio de uma extraordinária época de cooperação e de relação" nos laços entre EUA e México.

Calderón disse que pediu a Obama uma aliança estratégica entre os dois governos para enfrentar problemas comuns, principalmente a segurança e a luta contra o crime organizado.

"Quanto mais seguro estiver o México, mais seguros estarão os EUA", disse o líder mexicano, que qualificou o encontro de hoje como "muito produtivo e construtivo".

Na entrevista conjunta, nenhum dos dois líderes comentou sobre o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta).

Durante as primárias, Obama indicou que poderia tentar renegociar o Nafta para que incluísse medidas mais estritas para a proteção do trabalho e do meio ambiente.

Em entrevista concedida ao programa de TV "This Week", da ABC, o presidente eleito americano disse que o estado atual da economia lhe obrigaria a ser mais conservador em algumas de suas promessas eleitorais, o que poderia incluir seus comentários sobre o Nafta.

Em novembro, durante a cúpula do Fórum de Cooperação Econômica Ásia Pacífico (Apec) em Lima, Calderón advertiu Obama contra qualquer tentativa de renegociar o Nafta, com o argumento de que posições mais protecionistas só serviriam para aumentar a imigração ilegal rumo aos EUA.

O México é o terceiro maior parceiro comercial dos EUA, com o qual mantém uma troca que gira em torno de US$ 347 bilhões ao ano.

Após sua reunião com Obama, o líder mexicano foi ao Congresso para conversar com os líderes das duas câmaras, Harry Reid e Nancy Pelosi.

Calderón concluirá amanhã sua visita a Washington com uma reunião na Casa Branca com o presidente George W. Bush.

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG