Obama perde apoio no Afeganistão e confunde sobre reforma na saúde

Nova York, 25 set (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está perdendo apoio popular a sua gestão do conflito no Afeganistão e tem confundido os americanos sobre a reforma no sistema de saúde, segundo uma pesquisa divulgada hoje pelo New York Times e o canal CBS News.

EFE |

Mesmo assim, e apesar da queda na popularidade que registra desde o começo do mandato, Obama ainda conta com o apoio de 56% do eleitorado, uma porcentagem que o diário nova-iorquino qualifica de "razoavelmente forte" em comparação com o apoio de outros presidentes nesse período de Governo.

Segundo os resultados da pesquisa, realizada durante a semana, a intensa campanha de Obama para obter apoio à reforma sanitária parece ter rendido poucos frutos.

Dos sondados, 55% disseram que Obama não explicou claramente seus planos para mudar o sistema de atendimento de saúde e 59% que as mudanças estudadas pelo Congresso são confusas.

No entanto, a maioria confia mais na capacidade de Obama que na dos republicanos para tomar as decisões corretas sobre o tema.

Entre os questionados, 76% disseram que os republicanos nem sequer tinham traçado um plano claro a respeito, enquanto dois terços defenderam um projeto de lei referendado pelos dois grandes partidos.

Por isso, no que se refere ao conflito no Afeganistão, os resultados da pesquisa indicam uma queda na confiança dos americanos na gestão de Obama e a maioria não quer que as tropas permaneçam ali por mais dois anos.

A quantidade de pessoas que aprova a forma como Obama tratou o assunto Afeganistão caiu de 56% para 44% entre abril e setembro.

Apesar do recuo no apoio nesses dois âmbitos, em conjunto os eleitores americanos seguem confiando em Obama.

Com 56% do apoio contra 68% com que o Governo arrancou há nove meses, Obama possui um apoio similar ao que Ronald Reagan tinha (53%) nesse período do mandato, e muito superior ao de Bill Clinton (43%).

O apoio sobre a gestão econômica de seu Governo passou de 61% para 50%. EFE mgl/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG