Washington, 8 jan (EFE).- O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, pedirá hoje ao Congresso que aprove rapidamente, em um programa de estímulo da economia, porque, segundo ele, a demora poderiam causar conseqüências graves.

Esta posição consta de extratos do discurso que Obama fará hoje às 11h locais (14h de Brasília) sobre a situação econômica, na Universidade George Mason, na Virgínia, e que foram divulgados pelo escritório de transição.

"Não acho que seja demais tarde para mudar de rumo, mas será, se não tomarmos medidas drásticas tão breve quanto for possível", assinala no discurso. "Se não se fizer nada, esta recessão poderá se prolongar durante anos", acrescenta o texto.

Obama diz que nos últimos dias as linhas gerais de sua proposta para um "Plano de Recuperação e Reinvestimento", cujo montante pode ficar entre US$ 665 bilhões e US$ 800 bilhões, e que visa à criação de 3 milhões de postos de trabalho em dois anos.

Segundo o presidente eleito, o plano inclui investimentos em infra-estrutura, assistência da saúde, energia e educação.

"É verdade que não podemos depender exclusivamente do Governo para a criação de empregos ou crescimento econômico em longo prazo", dirá Obama em seu discurso.

"Mas, neste momento em particular, só o Governo pode dar o impulso necessário, de curto prazo, que nos tire de uma recessão tão profunda e grave", explica. EFE jab/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.