Obama pede unidade diante da crise financeira e pede realização de debate

Nova York, 25 set (EFE).- O candidato democrata às eleições presidenciais dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu hoje a unidade dos partidos neste momento de grave crise financeira e afirmou que, diante deste perigo, o debate previsto para a próxima sexta com seu rival, John McCain, deve acontecer.

EFE |

"Nossa economia está em crise e estamos lutando em duas guerras no exterior. Os americanos merecem escutar o que o senador McCain e eu mesmo temos a dizer sobre a direção do país", declarou Obama em uma participação dos debates da Iniciativa Global, promovidos pelo ex-presidente Bill Clinton.

O senador democrata por Illinois afirmou que democratas e republicanos devem ficar unidos e cooperarem nestes momentos de crise, e declarou que "o momento é sério demais para suspender a campanha ou ignorar todos os assuntos que o próximo presidente terá que enfrentar".

Obama reiterou assim sua disposição de realizar o debate presidencial previsto para o dia 26 de setembro com seu rival republicano, que na última quarta anunciou a suspensão de sua campanha para se ocupar plenamente da crise financeira.

O candidato democrata, da mesma forma que fez McCain cerca de uma hora antes dele, se referiu ao milionário plano de resgate de Wall Street, preparado pela administração do presidente George W. Bush por US$ 700 bilhões.

Obama, que chamou a atual crise financeira como a pior dos EUA desde a época da Grande Depressão, afirmou que a situação requer de uma ação imediata para restaurar a confiança na economia americana.

Embora tenha se mostrado favorável a este plano de resgate, afirmou que era "ultrajante se encontrar em uma situação na qual os contribuintes têm que carregar o peso da avareza e da irresponsabilidade de Wall Street e Washington".

Para dar seu sinal verde a este plano, o candidato democrata pediu que se crie uma entidade independente e bipartidária que se responsabilize por vigiar esta iniciativa, em uma proposta similar à realizada pouco antes por McCain.

"Caso os contribuintes americanos financiem esta solução, então deveria ser tratando-os como investidores. Isto significa que Wall Street e Washington teriam que devolver a eles até o último centavo quando a economia se recuperar", declarou.

Também afirmou que não se pode proceder a um resgate deste tipo sem ajudar também aos "milhões de proprietários que lutam para conservarem suas casas".

Obama também agradeceu ao anfitrião Bill Clinton ao convite para se juntar aos debates que a cada ano organiza paralelamente à reunião da Assembléia Geral da ONU e destacou seu trabalho em favor da criação de um modelo de responsabilidade individual e ação coletiva em favor dos mais desfavorecidos do mundo. EFE emm/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG