Obama pede que Israel esclareça ataque à frota

Presidente dos EUA pede rápido esclarecimento de episódio; em Toronto, líder de Israel diz que ação foi legítima defesa

iG São Paulo |

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta segunda-feira ao primeiro-ministro israelense, Benyamin Netanyahu, que é importante descobrir o mais rápido possível todos os fatos relativos ao violento ataque israelense a uma frota humanitária com ajuda à Faixa de Gaza, disse a Casa Branca.

Pelo menos nove ativistas pró-palestinos foram mortos no ataque. A brasileira Iara Lee estava em um das embarcações que integravam a frota de ajuda humanitária a Gaza atacada por Israel nesta segunda-feira, segundo informou o Itamaraty. Ainda não está claro se ela está entre os mortos.

AP
Manifestantes protestam em Amã, capital da Jordânia, contra acordo de paz com Israel

Em telefonema a Netanyahu, Obama afirmou entender a decisão do premiê israelense de cancelar o encontro agendado para terça-feira para retornar a Israel . Ambos concordaram em reagendar o encontro "na primeira oportunidade", disse a Casa Branca. Netanyahu estava no Canadá desde sexta-feira para conversar com os líderes do país e se reuniria com Obama em Washington. Em Toronto, Netanyahu lamentou as vítimas, mas justificou a ação dizendo que os soldados agiram "para protegerem suas vidas".

"O presidente expressou profundo pesar pela perda de vidas no incidente de hoje, e preocupação com os feridos", disse. "O presidente também expressou a importância de descobrir todos os fatos e circunstâncias ao redor dos eventos trágicos desta manhã o mais rápido possível."

Antes, o porta-voz da Casa Branca, William Burton, disse que os Estados Unidos lamentavam profundamente as mortes e os feridos deixados pelo ataque, indicando que analisavam as circunstâncias em que foi realizado.

Dizendo-se "preocupada" com a ação, a Casa Branca não condenou o ataque, que qualificou de "incidente" e "tragédia". "Os Estados Unidos lamentam profundamente a perda das vidas e as lesões causadas, e está atualmente trabalhando para compreender as circunstâncias da tragédia", disse o porta-voz da Casa Branca, William Burton.

Enquanto o presidente palestino qualificou o ataque de "massacre" e decretou três dias de luto. Israel justificou a ação responsabilizando a "Frota da Liberdade", assegurando que seus tripulantes "atacaram os soldados israelenses", segundo o Ministério de Exteriores.

De acordo com a rede de televisão "NBC", havia 11 americanos na "Frota da Liberdade", entre eles um ex-embaixador e um antigo funcionário do Departamento de Estado.

Imagens de uma TV turca feitas a bordo do barco que liderava a frota mostram soldados israelenses lutando para controlar os passageiros. As imagens mostram algumas pessoas, aparentemente feridas, deitadas no chão. O som de tiros pode ser ouvido.

A ação de Israel põe o Governo do presidente dos EUA, Barack Obama, em uma situação complicada, pois coloca em perigo as negociações indiretas entre israelenses e palestinos, que começaram recentemente sob a mediação do enviado especial americano, George Mitchell.

A frota de seis navios atacada transportava mais de 750 pessoas que levavam ajuda humanitária à Faixa de Gaza, que está sob bloqueio de Israel desde que o grupo islâmico Hamas assumiu o controle desse território palestino em 2007. A ação causou comoção e indignação na comunidade internacional.

Condenação internacional

O ataque de comandos israelenses contra a frota internacional foi alvo de críticas de toda a comunidade internacional .

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, declarou estar chocado com o sangrento ataque israelense e pediu ao Estado hebreu que realize uma investigação a fundo sobre o fato. "Estou chocado pelas informações de que há mortos e feridos nos barcos que levavam ajuda a Gaza", declarou em Campala, capital de Uganda, onde assiste à abertura de uma conferência sobre a Corte Penal Internacional. "Condeno essas violências. É vital que se realize uma investigação completa", enfatizou.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, censurou o uso desproporcional da força contra a frota humanitária em Gaza e exigiu que a tragédia seja esclarecida. "Toda a luz deve ser lançada sobre as circunstâncias dessa tragédia, que enfatiza a urgência de reativar o processo de paz israelense-palestino", afirmou o chefe de Estado francês. O ministério das Relações Exteriores convocou o embaixador de Israel em Paris, Daniel Shek, para pedir explicações sobre o ocorrido.

Em Londres, o ministro das Relações Exteriores, William Hague, pediu ao Estado hebreu que ponha fim às "inaceitáveis e contraproducentes restrições impostas às ajudas encaminhadas ao território palestino". "Há uma clara necessidade de que Israel atue com moderação e de acordo com as normas internacionais", declarou.

Já a Alemanha - país que raramente critica Israel - comentou que a letal intervenção israelense contra um comboio pró-palestino é, "à primeira vista, de caráter desproporcional", segundo o porta-voz do governo, Ulrich Wilhelm. "Os governos da Alemanha sempre reconheceram o direito de defesa de Israel, mas esse direito deve acontecer dentro de uma resposta proporcional", disse Wilhelm.

Reação no mundo islâmico

O Egito, que em 1979 se tornou o primeiro país árabe a assinar um tratado de paz com Israel, convocou o embaixador israelense depois do ataque. "O Egito convoca o embaixador de Israel no Cairo depois dos eventos do 'comboio da liberdade'", disse a TV Nilo em breve manchete sem fornecer maiores detalhes.

A Turquia, por sua vez, também chamou para consultas seu embaixador em Israel e anunciou ter ordenado que os preparativos para as manobras militares conjuntas com Israel fossem anulados.

Após pedido do governo turco, que é membro temporário do Conselho de Segurança da ONU, o órgão anunciou que se reunirá na tarde desta segunda-feira em uma sessão de emergência para discutir o ataque de Israel contra os navios. Diplomatas disseram à Reuters que o horário da reunião ainda não foi agendado, e não deram maiores detalhes.

Por fim, o inimigo declarado de Israel, o presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, denunciou o ataque do Exército israelense como "um ato desumano do regime sionista", informou a agência oficial Irna. "O ato desumano do regime sionista contra o povo palestino e o fato de impedir que a ajuda humanitária destinada à população chegasse a Gaza não é um sinal de força, e sim de fragilidade desse regime", declarou. "Tudo isto mostra que o fim desse sinistro regime fantoche está mais perto do que nunca."

O ministro de Defesa iraniano fez um apelo aos países do mundo para que cortem todas as relações com Israel após a morte dos ativistas. "O mínimo que a comunidade internacional deveria fazer com relação ao horrível crime cometido pelo regime sionista é boicotá-lo totalmente e cortar todas as relações diplomáticas, econômicas e políticas com o regime sionista", disse Ahmad Vahidi, segundo a agência semi-oficial de notícias ILNA.

*Com Reuters, EFE, AFP e BBC

    Leia tudo sobre: PalestinosHamasFaixa de GazaIsraelataque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG