Obama pede negociações sérias de paz no Oriente Médio neste ano

Por David Alexander CAEN, França (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou neste sábado que quer ver negociações de paz sérias e construtivas no Oriente Médio neste ano, com o objetivo de obter uma solução multilateral para Israel e a Palestina.

Reuters |

Obama, que vê o progresso na região como crucial para reparar a imagem dos Estados Unidos no mundo muçulmano, falou dois dias depois de discursar no Cairo pedindo um "novo começo" entre os muçulmanos e os EUA.

Na última parada de uma breve viagem ao Oriente Médio e Europa, Obama foi questionado para esclarecer o que quis dizer no dia anterior na Alemanha, quando afirmou que estava confiante quanto ao progresso que pode ser obtido nas relações entre palestinos e israelenses neste ano.

"Progresso significaria que as partes envolvidas estão em negociações sérias e construtivas em relação a uma solução de dois Estados," afirmou Obama a repórteres após se encontrar com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, na Normandia, antes da celebração que marca os 65 anos do desembarque das tropas aliadas no Dia D, na Segunda Guerra Mundial.

"Não espero que um problema de 60 anos possa ser resolvido da noite para o dia, como eu disse antes. Eu espero que ambos os lados reconheçam que seus destinos estão amarrados," acrescentou.

Obama pediu uma paralisação nos assentamentos e pressionou por uma solução conjunta, duas ideias que encontram resistência por parte de Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelense.

Mas Obama também disse que, enquanto a imprensa divulgou muito seus comentários sobre assentamentos, ele também quer que os palestinos renunciem "à violência e ao incitação (à violência". "Temos quer ir além da atual paralisação," disse.

Obama também afirmou que vai rever sua política em relação à Coreia do Norte, que testou uma arma nuclear no mês passado, fazendo o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) impor novas sanções ao fechado Estado comunista.

A Coreia do Norte se retirou de negociações feitas com outros cinco países em relação ao seu programa nuclear. "Vamos analisar muito como agiremos em relação a esses assuntos," disse Obama. "Não pretendemos continuar uma política de recompensar a provocação."

Obama e Sarkozy também mencionaram o impasse diplomático sobre o programa nuclear do Irã. O presidente norte-americano afirmou estar pronto para negociar "sem precondições" com os iranianos.

(Reportagem de David Alexander)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG