Obama pede fim da 'apatia' dos democratas na eleição legislativa

Presidente cobra participação ativa dos integrantes de seu partido para conseguir vitória na votação de novembro

iG São Paulo |

Reprodução
Capa da revista americana "Rolling Stone" que publica entrevista com Obama
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez um apelo para que os democratas deixem de lado a "apatia" e participem ativamente da campanha do Partido para as eleições legislativas, que acontecem em novembro.

Pesquisas apontam que os republicanos, mesmo fora do poder e sem maioria no Congresso, possuem uma base de apoiadores mais ativa que a dos democratas e podem sair vitoriosos da eleição.

"As pessoas têm que sair deste estado de apatia", afirmou Obama, em entrevista à revista americana "Rolling Stone". "Mudar as coisas é difícil - foi isso que eu disse durante a campanha. E está sendo difícil, mas se as pessoas agora querem pegar a bola e voltar para casa, isso me mostra que não estavam seriamente comprometidas desde o princípio".

Em seu apelo, Obama afirmou que as eleições de novembro representam a escolha entre uma administração que, apesar de alguns problemas, conseguiu fazer a agenda avançar, e um Partido Republicano que ofereceria políticas desastrosas para a economia e as liberdades civis.

"A ideia de que temos falta de entusiasmo na base democrata, de que as pessoas estão sentadas reclamando, é simplesmente irresponsável", afirmou. "Se queremos um país que respeita os direitos e as liberdades civis, devemos lutar nessa eleição".

A entrevista, que será publicada na sexta-feira mas já está disponível no site da revista, foi realizada na Casa Branca em 17 de setembro. Durante a conversa, Obama expressa decepção sobre o modo como os republicanos tomaram a decisão de se opor a ele desde o início do mandato, mas diz que admira a capacidade do partido da oposição de se manter unido.

Segundo Obama, a disputa com os republicanos resultou em atrasos legislativos e brigas políticas que aprofundaram o ceticismo público em relação ao governo e acabaram com a sensação de esperança que era muito forte no momento de sua eleição.

Música como 'consolo'

Durante a entrevista, Obama conta que ouvir música é uma fonte de "alegria e consolo" em dias difíceis e que seu iPod tem cerca de duas mil canções.

"Ainda estou mais ligado à música da minha infância do que às coisas novas. Ainda tenho (no iPod) muito Stevie Wonder, Bob Dylan, Rolling Stones, R&B, Miles Davis e John Coltrane. Esses são os padrões antigos", afirmou. "E também música clássica. Não vou muito à ópera, mas há dias em que Maria Callas é exatamente o que eu preciso."

O presidente afirmou que seu assessor, Reggie Love, aumentou seu repertório de rap. "Jay-Z costumava predominar, mas agora tenho algumas músicas de Nash, Lil Wane, embora não seja nenhum expert", disse.

As filhas do presidente, Malia e Sasha, também o apresentam a novos artistas. "Elas já estão com idade suficiente para começar a me deixar antenado sobre as coisas", afirmou.

Com AP

    Leia tudo sobre: obamaeuaeleiçõesrepublicanosdemocratas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG