Por Matt Spetalnick e Emmanuel Jarry WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, obteve na terça-feira uma promessa dos líderes mundiais de agirem de comum acordo para evitar o terrorismo nuclear, ao mesmo tempo em que pressionou por um apoio maior a fim de intensificar as sanções contra o Irã.

Um comunicado a ser divulgado no final da cúpula de 47 nações promete maiores esforços para bloquear "atores não-estatais", como a Al Qaeda, de obterem o material necessário para armas nucleares com "propósitos maliciosos".

A conferência sem precedentes aconteceu tendo como pano de fundo uma pressão crescente dos EUA para isolar o Irã por causa do programa nuclear do país. A chanceler alemã, Angela Merkel, soou uma nota otimista em fazer China e Rússia apoiarem uma nova resolução da ONU com sanções.

Discursando na sessão de abertura da cúpula, Obama advertiu que, se a Al Qaeda conseguir material nuclear suficiente para uma bomba atômica, seria uma "catástrofe para o mundo".

"Duas décadas depois do fim da Guerra Fria, enfrentamos uma cruel ironia da história - o risco de confronto nuclear entre nações diminuiu, mas o risco de um ataque nuclear aumentou", afirmou Obama.

"Assim, hoje é uma oportunidade não apenas para falar, mas para agir. Não apenas fazer promessas, mas fazer um progresso real para a segurança de nosso povo", disse ele aos líderes de Estado e governo reunidos.

O comunicado final, cuja cópia foi obtida pela Reuters, pede por novos controles sobre o plutônio e o urânio altamente enriquecido e o plutônio separado, componentes chave de armas nucleares, e pelo combate ao tráfico nuclear.

Em um aceno a alguns países em desenvolvimento que buscam lançar programas nucleares civis, porém, a cúpula concordou que as medidas de segurança "não infringirão os direitos dos Estados de desenvolverem e utilizarem a energia nuclear para finalidades pacíficas".

As autoridades norte-americanas buscaram centrar o foco da cúpula na segurança nuclear e evitar confrontos entre grupos rivais, indo das potências nucleares como Rússia e Grã-Bretanha aos inimigos com armas atômicas Índia e Paquistão.

Nos bastidores da reunião de dois dias, entretanto, Obama e seus assessores conduziram uma campanha intensiva para aumentar a pressão internacional contra o Irã.

(Reportagem adicional de Andrew Quinn, Paul Eckert, Dan Williams, Patricia Zengerle, Jeff Mason, Ross Colvin, Andreas Rinke, Phil Stewart, Lou Charbonneau, Alister Bull em Washington)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.