passar batom no porco - Mundo - iG" /

Obama monopoliza campanha americana com passar batom no porco

Os republicanos acusam Barack Obama de sexismo em relação à candidata à vice-presidência Sarah Palin, após as declarações do candidato democrata sobre o programa de John McCain, que seria como passar batom no porco.

AFP |

Durante um comício, terça-feira, em Lebanon, na Virgínia (leste), Barack Obama ironizou a vontade de mudança anunciada pela chapa McCain-Palin, depois de oito anos de presidência republicana.

"Você pode passar batom na boca de um porco, mas sempre será um porco. Pode embrulhar um peixe podre no papel e chamar de mudança, mas continuará cheirando mau após oito anos", alfinetou.

A expressão "put lipstick on a pig" é bastante popular nos EUA. Em bom português, significa que quando uma coisa é ruim, não adianta enfeitar, porque não vai conseguir enganar ninguém.

A resposta republicana veio algumas horas depois. A contra-ofensiva tomou a forma de um vídeo divulgado no site do candidato republicano John McCain.

A mensagem começa com um trecho do discurso de Sarah, na Convenção do partido, no qual ela faz uma brincadeira sobre a diferença entre uma mãe, como ela, que acompanha os filhos no jogo de hóquei, e um "pitbull": o batom.

Em seguida, aparece a declaração de Obama, fora de contexto, na qual ele questiona a vontade de mudança da dobradinha republicana.

Conclusão do spot sobre Barack Obama: "pronto para liderar? Não. Pronto para insultar? Sim".

Hoje, quando fazia campanha em Norfolk (Virgínia, leste dos EUA), Obama acusou os republicanos de quererem desviar a atenção dos eleitores, tirando "uma observação inocente" de seu contexto, para fugir dos verdadeiros problemas.

"Eu não ligo para o que eles dizem de mim, mas eu amo demais esse país para deixar que eles levem outra eleição com mentiras e falsos escândalos", declarou Obama, evocando a agressiva campanha republicana contra o democrata John Kerry, na disputa pela Casa Branca em 2004.

Os democratas também correram para lembrar que o próprio McCain já havia usado a expressão, em outubro de 2007, para descrever as propostas da ex-primeira-dama e senadora Hillary Clinton, derrotada por Obama nas primárias do partido.

"Temos uma crise energética. Temos um sistema educacional que não funciona para muitas das nossas crianças. Temos uma economia que está criando miséria em todo o país. Estamos envolvidos em duas guerras (...) E isso é tudo de que querem falar", atacou Obama, referindo-se à "polêmica do batom" deflagrada pelos republicanos.

jit/tt/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG