Obama minimiza importância de charge que o mostra como muçulmano

Washington, 15 jul (EFE).- O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, minimizou hoje importância de uma charge que o mostra como muçulmano e retrata sua esposa, Michelle, como uma guerrilheira armada com uma metralhadora.

EFE |

"Trata-se de uma charge, e é por isso que temos a Primeira Emenda da Constituição (que protege a liberdade de expressão)", disse.

Em entrevista ao programa "Larry King Live", da "CNN", Obama afirmou que atualmente há problemas muito mais sérios que preocupam os americanos.

Entre eles, citou a crise no sistema bancário e no sistema imobiliário, o terrorismo e os conflitos no Iraque e no Afeganistão.

A charge, publicada na capa da revista "New Yorker" no último fim de semana, retrata o candidato democrata e sua esposa em uma sala (provavelmente da Casa Branca) em que há um quadro de Osama bin Laden na parede e uma bandeira dos Estados Unidos em chamas na lareira.

"Os autores da charge talvez estimulem alguns conceitos equivocados, mas essa foi sua decisão editorial", disse Obama.

A charge foi criticada tanto pelo Partido Democrata como pelo Republicano, e os dirigentes das campanhas de Obama e de seu rival, John McCain, afirmaram que sua publicação foi ofensiva.

A "New Yorker" justificou a publicação da charge dizendo que ela tinha como objetivo satirizar os conceitos errôneos que os eleitores têm sobre Obama. EFE ojl/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG