Obama lembra atentados a embaixadas no Quênia e na Tanzânia, 11 anos depois

Washington, 7 ago (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu hoje à comunidade internacional que mantenha seus esforços na luta contra o terrorismo, 11 anos depois dos atentados contra as embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia.

EFE |

Obama lembrou hoje as 218 vítimas do atentando à embaixada de Nairóbi, no Quênia, e os 11 mortos no ataque que aconteceu simultaneamente em Dar-es-Salam, na Tanzânia, no dia 7 de agosto de 1998.

Os atentados deixaram ainda mais de 5 mil pessoas feridas no Quênia e mais de 85 na Tanzânia.

"Nossos pensamentos estão com aqueles que ficaram feridos e com as famílias e entes queridos daqueles que perderam a vida nesses trágicos atos", afirmou Obama, em um breve comunicado.

O presidente dos EUA afirmou que os atentados no leste da África "são um triste exemplo da determinação da Al Qaeda de matar homens, mulheres e crianças inocentes em muitos países, independentemente de sua religião, raça ou nacionalidade".

Ressaltou ainda a importância da colaboração internacional na luta contra o terrorismo para "levar estes terroristas à Justiça, prevenir para que este tipo de atentados não voltem a ocorrer e para avançar na paz e segurança para americanos, quenianos, tanzanianos e todas as pessoas do mundo". EFE cai/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG