mea-culpa e anuncia mudanças contra terror - Mundo - iG" /

Obama faz mea-culpa e anuncia mudanças contra terror

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assumiu nesta quinta-feira sua responsabilidade pelas falhas de permitiram o atentado frustrado contra um avião comercial no Natal, e anunciou mudanças para reforçar a vigilância sobre suspeitos e aumentar os controles nos aeroportos.

AFP |

"Estou ordenando um esforço imediato para fortalecer o critério usado para acrescentar pessoas a nossa lista de vigilância terrorista, especialmente à relação de pessoas que não podem voar" em aviões comerciais, disse Obama em um comunicado à Nação, após analisar um relatório sobre o ataque frustrado.

"Devemos atuar melhor para manter as pessoas perigosas fora dos aviões".

Segundo o presidente, os serviços de Inteligência não conseguiram "entender" a informação disponível e não alertaram sobre a possibilidade de um ataque contra um avião de carreira no Natal.

Para Obama, a Inteligência falhou em três aspectos principais: permitiu que um jovem nigeriano subisse em um avião com explosivos ocultos, não combateu com suficiente "agressividade" a rede Al-Qaeda na Península Arábica e, finalmente, fracassou em analisar apropriadamente a informação de que dispunha.

"Antes de ser uma falha na hora de reunir e compartilhar (informação de) inteligência, foi uma falha para vincular e compreender" esta informação, "que já existia".

Para reparar a situação, Obama ordenou que pessoal e equipamento se concentre em seguir pistas e identificar as potenciais ameaças, e que os relatórios de inteligência sobre ameaças à segurança dos Estados Unidos sejam transmitidos da forma mais rápida e adequada a todos os organismos, para melhor análise.

"Estamos em guerra. Estamos em guerra contra a Al-Qaeda, uma rede de violência e ódio de grande alcance que nos atacou no 11 de Setembro, que matou cerca de 3 mil inocentes e que está preparando outro ataque (...) Faremos o que for necessário para derrotá-los".

Obama afirmou que houve um fracasso sistêmico entre os órgãos de Inteligência para detectar o plano de ataque, e que "todas as agências e seus líderes serão responsáveis por implementar as reformas, e todos serão considerados responsáveis se não forem adotadas".

O presidente salientou que está "menos interessado em procurar culpados do que em entender o que ocorreu e corrigir estes erros para estarmos mais seguros".

Obama disse que apesar das severas críticas recebidas, não haverá demissões entre os responsáveis dos serviços de Inteligência. "Parece que este episódio não foi um erro de apenas um indivíduo ou organismo, e sim uma falha do sistema".

"Em última instância, a responsabilidade é minha. Como presidente, tenho a responsabilidade solene de proteger nosso país e nossa gente. Quando o sistema falha, é minha responsabilidade".

No dia de Natal, o jovem nigeriano Umar Faruk Abdulmutallab tentou detonar uma substância explosiva que havia escondido na cueca momentos antes do pouso do voo 253 da Northwest em Detroit, procedente de Amsterdã.

O explosivo falhou e o nigeriano foi dominado por outros passageiros.

O atentado poderia ter sido facilmente evitado com uma análise séria dos responsáveis de Inteligência da embaixada dos Estados Unidos em Abuja, que entrevistaram o pai do terrorista, um conhecido banqueiro nigeriano, que foi à sede diplomática para alertar sobre o comportamento radical do filho.

Apesar do alerta, a informação não foi compartilhada entre os diversos serviços do governo e o nigeriano pôde ter acesso ao voo para os Estados Unidos.

A Agência de Segurança Nacional (NSA) tinha informações de que um nigeriano estaria treinando no Iêmen para uma missão da Al-Qaeda, e comunicações interceptadas indicavam um possível ataque no Natal.

Faruk Abdulmutallab foi treinado para o ataque no Iêmen, onde se reuniu com o imã radical Anwar al-Aulaqi, quando estava escondido na região de Wadi Rafadh, na província de Chabwa.

O jovem terrorista também foi recebido por Chabwa Mohammad Umir, um dos líderes da rede Al-Qaeda, que morreu em um bombardeio aéreo no dia 24 de dezembro, no Iêmen.

mou/wak/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG