Obama falha porque quer transformar EUA em Europa, diz Romney

Um dos favoritos à indicação do Partido Republicano, Mitt Romney centra ataques em Obama durante debate dos pré-candidatos

EFE |

Os pré-candidatos presidenciais republicanos se enfrentaram na noite deste sábado no primeiro debate eleitoral após os resultados apertados de Iowa. No encontro, os ataques não foram tão duros como esperados, sobretudo ao ex-governador de Massachusetts, Mitt Romney, favorito nas pesquisas.

Infográfico: Quem são os principais pré-candidatos republicanos?

Saiba mais: Entenda como funcionam as eleições americanas

Após a diferença de apenas oito votos a favor de Romney nos caucus de Iowa - vencido pelo ex-senador pela Pensilvânia, Rick Santorum - se esperava um debate encarniçado no qual os pré-candidatos aproveitassem para atacar o outro em uma tentativa de ganhar votos para as primárias de terça-feira em New Hampshire.

No entanto, embora tentassem consolidar posições e alguns inclusive tenham buscado o aplauso fácil, apelando para a necessidade de voltar a transformar os Estados Unidos em um grande país, o encontro realizado na Universidade de Saint Anselm foi um tanto insosso.

Reuters
O deputado texano Ron Paul fala com Mitt Romney, um dos favoritos à indicação do Partido Republicano, durante debate na noite de sábado
A primeira pergunta, sobre economia, foi para Romney que acusou o presidente Barack Obama de levar o país para o buraco ao tentar torná-lo o "Estado de bem-estar europeu". Santorum ressaltou que o país precisa de um líder, não de um diretor empresarial, em referência à experiência empresarial que credencia Romney como vantagem em sua candidatura, ao que o ex-governador contestou que os políticos como Santorum não entendem como funciona o "mundo real" dos empregos.

O ex-governador de Utah, Jon Huntsman tomou a palavra para assegurar que tem o melhor de ambos os candidatos, ao contar com experiência administrativa e na empresa privada, e defendeu as políticas que realizou para baixar os impostos, atrair o investimento privado e gerar emprego em seu Estado. Já o deputado texano Ron Paul criticou Santorum por sua relação com os grupos de pressão de Washington, algo que o aspirante, que se apresentou como um candidato de princípios, rejeitou. "Sou um conservador, não um libertário, creio em algo de governo", disse em contraposição a Paul, que defende a mínima participação do Estado na economia e na vida privada dos cidadãos.

Por sua vez o governador do Texas, Rick Perry, manteve sua imagem de político não influenciado pelo sistema político de Washington, que conseguiu criar um milhão de trabalhos em seu Estado e comandante-em-chefe dos mais de 20 mil soldados texanos que participaram das guerras do Iraque e do Afeganistão. No breve trecho em que falou de política externa, Perry assegurou que voltaria a enviar tropas ao Iraque para evitar que fosse atacado pelo Irã. Perry considerou um erro "a ideia de se permitir aos iranianos voltar ao Iraque e tomar o país, com todo o esforço, em sangue e em dinheiro, que foi investido".

Questionado sobre as tropas dos EUA no Afeganistão, Huntsman considerou que, depois de dez anos no país e após a morte do líder de Al Qaeda, Bin Laden, em maio passado, "é hora de voltar para casa" e assegurou que, se fosse eleito presidente, traria as tropas durante seu primeiro ano de mandato, no final de 2013.

Romney, por sua vez, disse que gostaria de trazer as tropas do Afeganistão o mais rápido possível, mas consultaria primeiro com os comandantes para estabelecer uma data já que "não quer pôr em perigo as conquistas conseguidas".

O ex-presidente da Câmara de Representantes Newt Gingrich, assinalou que o Afeganistão é só uma parte das tensões que se tem que enfrentar no panorama internacional, no qual ressaltou a crescente instabilidade do Paquistão e a ameaça do Irã que está trabalhando "ativamente" em seu programa nuclear. Paul opinou que os EUA "estão envolvidos em muitos conflitos" e lamentou que em Washington haja gente "desejando bombardear o Irã".

Sobre a união civil de pessoas do mesmo sexo, Huntsman assegurou que apoia as uniões civis, mas não os casamentos do mesmo sexo. Gingrich disse que as pessoas são livres para ter relações com quem queiram, mas o casamento é um "sacramento" entre um homem e uma mulher, da mesma forma que Romney e Santorum.

A pesquisa mais recente realizada pela Universidade de Suffolk e pelo canal local "7/News" sobre as intenções de voto em New Hampshire dá a Romney um apoio de 39%, seguido de Paul (17%), Gingrich 10%, Santorum e Huntsman, ambos com 9,  e Perry (1%). Segundo o jornal "Christian Science Monitor" um em cada três eleitores estão ainda indecisos, mas os aspirantes terão uma nova oportunidade de se enfrentar neste domingo às 9h (12h de Brasília), em  um debate organizado pela "NBC" e pelo Facebook.

    Leia tudo sobre: eleição nos euarepublicanosobamaperrysantorumromneygingricheua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG