O novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, era um aluno inteligente que mostrava uma grande abertura para o mundo e uma forte capacidade de adaptação, em uma escola onde havia apenas dois negros, relatou nesta terça-feira em Paris Joan Helbling, uma ex-professora do menino Obama no Havaí.

Joan Helbling se expressou sobre os sete anos que passou Obama na escola Punahu, em Honolulu, diante de várias dezenas de estudantes da American Business School de Paris, reunidos para comemorar a posse do primeiro presidente negro da história dos Estados Unidos.

"Era um aluno médio, mas era tão inteligente que nem precisava trabalhar muito para passar de ano", contou Helbling, hoje com 70 anos.

"Me lembro dele como de um aluno aberto para o mundo. Ele era capaz de superar as diferenças entre os grupos: os 'nerds', os esportistas... Ele passava com facilidade de um grupo ao outro", acrescentou.

Filho de uma mãe branca e de um pai queniano que viera estudar no Havaí, Barack Hussein Obama nasceu em 4 de agosto de 1961 em Honululu. Ele passou os primeiros anos de sua vida em Jacarta, na Indonésia, mas voltou aos 10 anos à capital do Havaí, onde foi educado por seus avós. Ele estudou em Punahu, uma escola particular frequentada por uma maioria de asiáticos. Seus principais hobbies eram o basquete e o tênis.

Apelidado de Barry durante toda sua infância, ele recuperou o nome Barack, de origem africana, na adolescência.

"Acho que foi naquele momento que ele tomou consciência pela primeira vez de sua identidade de negro americano. Ele achava interessante ver a imagem que os outros alunos tinham dele por causa da cor de sua pele", explicou a professora.

cml/yw

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.