Obama é recebido como heroi em Gana

ACRA - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi recepcionado como heroi em Gana, nesta sexta-feira, na sua primeira visita à região subsaariana da África desde que tomou posse como o primeiro presidente afro-americano dos Estados Unidos.

Reuters |

Houve comoção quando pisaram no tapete vermelho em Acra o presidente da nação mais poderosa do mundo e filho de um imigrante africano e a sua mulher, Michelle, cujos antepassados chegaram à América como escravos.

Obama deve deixar uma mensagem sobre a importância da boa governança, pois Gana é um país que desafia estereótipos de um continente sempre em conflito e em crise.

"Parte da razão de estarmos viajando para Gana é porque lá tem uma democracia funcionando, um presidente que é sério na redução da corrupção, e tem considerável crescimento econômico", disse Obama antes de chegar a Gana.

Ele, Michelle e as duas filhas do casal foram recebidos no aeroporto pelo presidente John Atta Mills, eleito em dezembro.

As reformas econômicas em Gana, país produtor de cacau e ouro -- e que deve começar a produzir petróleo no ano que vem -- trouxeram investimentos e crescimento, antes do impacto da crise financeira global.

As pessoas lotaram as ruas em torno do aeroporto, na tentativa de ver o presidente.

"É um grande momento para Gana e para a África. Temos que celebrar", afirmou o motorista Emmanuel Tsawe, que cobriu o seu ônibus de 43 lugares com fotos de Obama.

"Acho que ele tem boas intenções para o continente e devemos cooperar com ele", disse.

No entanto, o continente africano não tem sido a prioridade principal de uma administração preocupada com a crise financeira global.

Poucos esperam uma mudança de política, e a principal mensagem será a importância da boa governança e o uso competente da ajuda, como, por exemplo, o compromisso que o G8 fez na Itália de investir 20 bilhões de dólares em segurança alimentar nos países pobres.

Obama se baseou na própria história para enfatizar a importância da transparência e de instituições fortes para gerar mudanças.

"O meu pai foi para os Estados Unidos há meros 50 anos, e ainda agora eu tenho parentes que moram em vilarejos, que não passam fome, mas moram em vilas onde a fome é real", contou.

"Se você fala com os habitantes da África, certamente no Quênia, eles vão dizer que parte do problema é que as instituições não funcionam para as pessoas comuns. Para isso, governança é fundamental."

Obama deve falar no sábado ao Parlamento, antes de visitar um forte usado no comércio de escravos. Ele e a família vão passar menos de 24 horas em Gana e depois retornam para os Estados Unidos.

(Por Kwasi Kpodo e Jeff Mason - Reportagem adicional Matt Spetalnick)

    Leia tudo sobre: euaganaobamaáfrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG