Obama e Medvedev assinam acordo para novo tratado de redução nuclear

MOSCOU - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o chefe de Estado russo, Dmitri Medvedev, assinaram nesta segunda-feira um acordo prévio para conseguir um novo tratado sobre redução de armamento nuclear até o fim do ano.

Redação com agências internacionais |


Obama e Medvedev concordaram em reduzir a entre 1.500 e 1.675 o número de ogivas nucleares e a entre 5.00 e 1.000 o número de vetores nucleares (mísseis internacionais, embarcados em submarinos e bombardeiros estratégicos) de ambos países. Estas reduções devem aconteer nos sete anos seguintes à entrada em vigor do acordo.

Com base neste acordo prévio, os negociadores russos e americanos continuarão com suas conversas para tentar concluir um novo tratado que substitua o histórico tratado START, que expira em dezembro.


Obama e Medvedev se encontraram nesta segunda-feira / Reuters

Escudo antimísseis

Os presidentes decidiram também encomendar a uma comissão conjunta de especialistas uma análise sobre os perigos dos mísseis balísticos, para tentar resolver sua disputa sobre o escudo que os Estados Unidos quer posicionar no Leste Europeu .

Em comunicado conjunto, os dois presidentes afirmam que seus respectivos países "planejam continuar o debate sobre a cooperação na resposta ao desafio da proliferação de mísseis balísticos".

Os EUA e a Rússia, sustentam, "intensificam sua busca das melhores maneiras para fortalecer as relações estratégicas baseadas no respeito e nos interesses mútuos".

Cooperação no Afeganistão

A declaração conjunta aprovada durante a primeira visita à Rússia de Obama também destaca a necessidade de " intensificar e consolidar a cooperação do Afeganistão e do Paquistão na luta contra as ameaças comuns do terrorismo, do extremismo e do narcotráfico".

O documento ressalta a importância de "garantir as condições imprescindíveis para a segurança de eleições presidenciais e locais transparentes, e capazes de ganhar a confiança do povo".

Os dois presidentes manifestam sua decisão de "estudar a cooperação russo-americana na reconstrução da infraestrutura de transportes, energética e industrial no Afeganistão". Além disso, as partes concedem especial atenção ao tema do narcotráfico desde Afeganistão.

Melhora nas relações

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, afirmou nest a segunda-feira que espera que a cúpula russo-americana sirva para virar "páginas complexas" e abrir "novas" nas relações bilaterais, ao dar as boas-vindas no Kremlin ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

"Nossos países enfrentam diversos problemas, que agora nós resolvemos de maneira conjunta: são problemas econômicos, problemas de segurança mundial e problemas de limitação de armas estratégicas ofensivas", disse Medvedev.

O chefe do Kremlin acrescentou que, nesta agenda, a Rússia e os Estados Unidos têm "todas as possibilidades de adotar decisões importantes e necessárias".

Medvedev qualificou a primeira visita de Obama a Moscou de "importante acontecimento na história das relações russo-americanas".

"Confio em que, como resultado de nosso trabalho de hoje e de amanhã, de nossa comunicação bilateral plena, fecharemos uma série de páginas complexas na história das relações russo-americanas e abriremos novas páginas", disse o presidente russo.

Em suas palavras de resposta, Obama disse que, entre Estados Unidos e Rússia, há mais coisas que os aproximam do que aspectos que os separam.

"Se empenharmos esforços e trabalharmos duro nos próximos dias, acho que alcançaremos bons resultados e progresso", disse o presidente americano.

Obama na Rússia

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chegou nesta segunda-feira a Moscou. O avião de Obama, que viajou acompanhado de sua esposa e suas filhas Sasha e Malia, aterrissou às 13h40 (6h40 de Brasília) no aeroporto moscovita de Vnukovo, para uma visita na qual quer "reiniciar" as relações com a Rússia.

AP

Obama e família desembarcam na Rússia

Obama e Medvedev firmam acordo; assista:



Leia mais sobre:
Obama - Rússia

    Leia tudo sobre: obamarússia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG