Obama e McCain defendem suas propostas de Governo com troca de ataques

María Peña Washington, 27 jul (EFE).- Os candidatos presidenciais Barack Obama e John McCain defenderam hoje seus respectivos planos de Governo com uma onda de ataques mútuos no assunto política externa quando faltam poucos meses para as eleições gerais nos EUA A Guerra do Iraque, a economia e a imigração foram algumas das questões que centraram a ofensiva dos dois candidatos em um momento no qual, segundo algumas pesquisas, McCain está diminuindo a vantagem do senador democrata.

EFE |

Em Chicago, Obama compareceu hoje à conferência "Unity" de cerca de 6 mil jornalistas, em sua primeira aparição pública após uma viagem de nove dias por Iraque, Afeganistão, Oriente Médio e Europa.

Obama negou que sua viagem, na qual conseguiu projetar uma imagem de líder mundial, fosse "audaz", pois, na sua opinião, não foi nada diferente das viagens que McCain realizou para Canadá, Colômbia e México após conseguir a candidatura republicana.

"Ninguém supôs que isto era audaz. Reconheço que o fiz muito bem e que isto não deveria contar contra mim", disse Obama arrancando risos e aplausos do público.

Para Obama, a recepção que obteve é um "testemunho de quão famintos estão os europeus pela liderança americana" e de estabelecer "certo vínculo de confiança" com líderes mundiais.

Enquanto isto, McCain, que não esteve na conferência da "Unity" e que não teve nenhum ato público, aproveitou vários eventos para atacar Obama no campo da política externa, sobretudo pelas repercussões que teria uma retirada prematura do Iraque.

Em uma entrevista à emissora "CNN", McCain disse que não questiona o patriotismo de Obama, mas que o envio extra de tropas dos EUA surtiu efeito e é uma estratégia que sempre defendeu.

A emissora ABC divulgou outra entrevista na qual o candidato republicano disse que o apoio de Obama a uma retirada do Iraque foi uma "decisão política para conseguir a candidatura de seu partido".

Obama, por outro lado, "não entende a importância desta vitória, nem as conseqüências de um fracasso ou os benefícios do êxito", continuou o senador republicano do Arizona.

Logo depois, o comitê de campanha de McCain divulgou uma nota na qual detalhou as supostas mudanças de posição de Obama na questão do Iraque.

Na conferência da qual tomou parte hoje Obama reconheceu que as tropas ajudaram a estabilizar o Iraque, mas afirmou que os EUA devem colocar mais atenção nos problemas que persistem no Afeganistão, como o narcotráfico e a contínua presença da Al Qaeda e os talibãs.

Obama mantém sua posição de que iniciar uma Guerra do Iraque foi um erro, pois, entre outras coisas, custa ao país cerca de US$ 10 bilhões por mês.

O senador democrata por Illinois apóia a retirada das tropas em um prazo de 16 meses caso assuma as rédeas do Governo, enquanto McCain afirma que apesar de esta definição de datas ser "muito boa", a saída dos EUA do Iraque dependerá das condições no local.

Sobre a imigração, Obama reiterou que apóia uma reforma migratória integral, pois o problema migratório se deve em parte a um sistema falho que permite "esperas de dez anos" e que obriga muitos a entrarem ilegalmente.

McCain disse à "CNN" que apóia um programa de legalização "para muitos, não para todos", mas que este será iniciado apenas se a segurança fronteiriça melhorar primeiro.

Obama disse aos jornalistas que amanhã concentrará sua atenção nos problemas que atingem a economia, como o aumento nos preços da gasolina, a segurança no trabalho e os programas de previdência.

Com esta idéia se reunirá com vários assessores econômicos, entre eles o investidor milionário Warren Buffet, o presidente da Google, Eric Schmidt, o ex-secretário do Tesouro, Robert Rubin, e o ex-presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Paul Volcker.

O objetivo será para discutir a viabilidade de um segundo estímulo fiscal e soluções para o setor energético, disse à rede "NBC". EFE mp/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG