Obama e McCain acirram disputa por votos de eleitores indecisos

Céline Aemisegger. Washington, 18 out (EFE).- Os candidatos à Presidência dos Estados Unidos, o democrata Barack Obama e o republicano John McCain, continuam hoje suas campanhas em estados considerados fundamentais e, a 17 dias das eleições, realizam seus últimos esforços para convencerem os eleitores indecisos.

EFE |

Os dois iniciaram visitas a aqueles estados que tradicionalmente são considerados como "vermelhos", em referência à cor do Partido Republicano, e que nas eleições de 2004 se inclinaram para o atual presidente, George W. Bush.

Com isto eles tentam convencer os indecisos, que, nas eleições gerais de 4 de novembro, podem inclinar a balança a favor de um candidato ou de outro.

Por isto, a apenas 17 dias das eleições, os comitês de campanha de McCain e de Obama definiram os passos a serem dados por seus candidatos na Flórida, no Missouri, na Carolina do Norte e na Virgínia, entre outros estados fundamentais para que não deixem nos últimos indecisos a menor dúvida de quem deve se tornar o próximo presidente dos EUA.

McCain, que na última sexta esteve na Flórida, tem que se esforçar ao máximo, já que atualmente está em desvantagem na corrida pela Casa Branca, como indicam as últimas pesquisas.

Uma enquete dos institutos Zogby, C-SPAN e Reuters publicada hoje dá a Obama uma vantagem de quatro pontos percentuais sobre McCain (48,3% contra 44,4%), mas outras pesquisas, como a do Gallup da última sexta, mostram uma diferença ainda maior, de 10 pontos percentuais.

Além disso, Obama enfrenta a última etapa da longa campanha eleitoral com o impulso que lhe proporcionou o apoio de dois importantes jornais: o "Washington Post" e o "Los Angeles Times".

Por tudo isto, o objetivo de McCain é resistir à campanha de Obama, que nos próximos dias viajará por aqueles estados que tradicionalmente votaram a favor do Partido Republicano.

McCain sabe que se o senador por Illinois ganhar os votos nestes estados, sua corrida rumo à Casa Branca terá terminado, por isto atua na defensiva e tenta impedir de todas as formas que seu adversário conquiste estes votos tão importantes, em uma tentativa de convencer os redutos republicanos a não lhe darem as costas.

Esta manhã McCain fez campanha em Concord, na Carolina do Norte, um estado que em décadas não votou em um candidato democrata, mas que, segundo as últimas pesquisas, pode ser decisivo nas eleições de novembro.

Nesta tarde, participará de um ato na Virgínia, onde Obama esteve na sexta-feira e que é um estado que o senador por Illinois visitou em várias ocasiões para obter os votos dos indecisos.

Na sexta-feira, Obama fez campanha em Roanoke, Virgínia. Hoje, foi a St. Louis, Missouri, após ter passado a noite em sua casa em Chicago. Depois está previsto que pronuncie um discurso em Kansas City.

Embora desde agosto o candidato democrata não tenha visitado Missouri, um estado nitidamente republicano, as pesquisas indicam que ele poderia vencer neste estado em novembro.

Por sua vez, a candidata republicana à Vice-Presidência, Sarah Palin, se prepara para viajar para Nova York, onde está previsto que apareça no programa "Saturday Night Live", que é conhecido por suas brincadeiras e sátiras sobre a governadora do Alasca.

A esposa de McCain, Cindy, também se juntará aos esforços da campanha de seu marido para conquistar os últimos votos dos americanos, ao participar no domingo de um ato na Pensilvânia.

Como nas últimas semanas, os discursos dos dois candidatos continuam centrados na crise financeira que o país enfrenta, assim como nos ataques mútuos que caracterizaram boa parte de suas campanhas nos últimos meses. EFE cai/ab/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG