a alma do Partido Democrata - Mundo - iG" /

Obama diz que Ted Kennedy era a alma do Partido Democrata

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prestou neste sábado uma emocionante homenagem ao senador Ted Kennedy, que qualificou de defensor dos pobres e de alma do Partido Democrata. A missa, celebrada por seis sacerdotes, contou com a atuação do tenor espanhol Plácido Domingo e do violoncelista americano Yo-Yo Ma.

Redação com agências internacionais |

Kennedy faleceu na noite de terça-feira, aos 77 anos de idade, devido a um câncer cerebral e, embora não tenha conseguido se eleger a presidente em 1980, foi lembrado durante três dias de luto nacional como um dos melhores legisladores da história do Senado americano.

"O mundo se lembrará de Ted Kennedy como o defensor dos pobres, a alma do Partido Democrata e o Leão do Senado dos Estados Unidos", declarou Obama. Em discurso emocionante, Obama se referiu ao "caçula da família que se tornou seu patriarca, o sonhador inveterado que se tornou sua rocha".


Clique aqui para ver o infográfico sobre a vida de Ted Kennedy


No elogio fúnebre pronunciado neste sábado durante a missa de corpo presente organizada na basílica Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Boston (Massachusetts, nordeste dos EUA), Obama também mencionou "a resistência e o humor" de Ted Kennedy, falecido terça-feira aos 77 anos das consequências de um tumor do cérebro, que "venceu mais sofrimentos e tragédias que a maioria dentre nós nunca conhecerá".

"Em vez de se tornar amargo e endurecido, ele se transformou em alegre combatente, que lutou pelos direitos dos outros e se tornou o maior legislador de nossa época", prosseguiu o presidente americano diante da família de Ted Kennedy e dos ex-presidentes George W. Bush, Bill Clinton e Jimmy Carter, entre outras personalidades.



Foto: AP

Em um discurso de 15 minutos para mais de mil convidados, Obama louvou a obra e a figura de Kennedy, ao afirmar que o fio motor de sua obra legislativa durante 47 anos no Senado foi a defesa dos marginalizados, dos soldados e dos imigrantes, entre outros.

Ao enumerar os altos e baixos na biografia de Kennedy, Obama assinalou que, pelas tragédias de sua família, o ex-senador pôde compreender o sofrimento dos demais, desde uma criança doente que não tem acesso a atendimento médico, até uma mulher privada de seus direitos por sua aparência ou procedência.

Kennedy "foi produto de uma era na qual o gozo e a nobreza da política impediram que as diferenças de partido e filosofia fossem barreiras à cooperação e ao respeito mútuo, em um tempo em que os adversários ainda se viam como patriotas", observou Obama.

"Foi assim que Ted Kennedy se tornou o maior dos legisladores de nosso tempo. Tinha seus princípios, mas também buscou consenso, através da amizade, nobreza e humor", disse Obama, como exemplo do bipartidarismo que caracterizou Kennedy no Senado.

Além de lembrar a obra de Kennedy, o presidente americano também quis recordá-lo como o homem que "se deu de coração", que pensou sempre nos detalhes pessoais como pai, amigo, colega, ou o chefe "adorado por seus funcionários".

Nesse sentido, Obama disse que, após os atentados de 11 de setembro de 2001, "Teddy se encarregou de ligar pessoalmente para cada uma das 177 famílias do estado de Massachusetts que perderam um ente querido" no ataque.

"O passar do tempo nunca cura realmente a trágica memória de semelhante perda, mas seguimos adiante, porque devemos fazer isso, porque nossos entes queridos desejariam isso e porque ainda há essa luz que nos guia no mundo pelo amor que nos deram", afirmou.

Assista abaixo ao vídeo com o discurso de Obama:

(Com AFP e Reuters)

Leia também:

Saiba mais sobre: Ted Kennedy

    Leia tudo sobre: kennedy

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG