Obama diz que suas palavras sobre detenção de professor negro foram infelizes

O presidente Barack Obama disse que seus comentários sobre a detenção de um professor negro da Universidade de Harvard, que geraram uma polêmica racial no país, foram infelizes, e telefonou nesta sexta-feira para o policial envolvido.

AFP |

Num aparecimento de surpresa no briefing matinal, Obama procurou apaziguar a tormenta que explodiu desde que afirmou que o policial de Cambridge (Massachusetts, nordeste) havia agido "estupidamente" ao deter Henry Louis Gates, um professor negro de Harvard, por forçar a porta de sua própria casa. "Quero deixar claro que, infelizmente, com minhas palavras dei a impressão de estar caluniando o Departamento de Policía de Cambridge ou especificamente o sargento Crowley", disse o presidente.

"Poderia ter medido minhas palavras", acrescentou.

Gates, especialista em questões africanas e afro-americanas na prestigiada Universidade de Harvard e amigo de longa data de Obama, foi detido semana passada após ter forçado a porta da própria casa, porque não encontrava suas chaves, ao retornar de uma viagem. A polícia foi alertada por uma vizinha que pensou numa tentativa de roubo, num primeiro momento.

Os fatos variam sensivelmente, se relatados pelo professor Gates ou por quem o deteve, o sargento James Crowley. Gates diz ter sido vítima de um comportamento racista. Gates foi levado à delegacia porque se comportou grosseiramente, afirma o policial.

"Não conheço inteiramente o caso", admitiu Obama em entrevista à imprensa na quarta-feira.

Mas, segundo ele, "a polícia se comportou de maneira estúpida ao deter alguém que tinha todas as provas na mão, inclusive a de estar na própria casa", comentou.

Gates foi detido por perturbação à ordem pública, considerando o incidente um exemplo da forma com a qual a polícia trata os negros no país, afirmando que gostaria de receber um pedido de desculpas.

"Não haverá desculpas de minha parte, nada fiz de mal", respondeu o sargento Crowley, considerando "ridícula" a acusação de racismo.

jkb/mdl/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG