Obama diz que racismo não é principal motivação de detratores

Washington, 19 set (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assegurou que o racismo está presente em algumas críticas que recebeu nas últimas semanas, mas que não é a principal motivação de seus detratores.

EFE |

Assim afirmou Obama em entrevista ao canal "CNN", uma das cinco gravadas na última sexta-feira na Casa Branca e que teve uma parte divulgada hoje.

Na entrevista, que será transmitida na íntegra amanhã, Obama diz que a retórica contra si não é diferente da enfrentada por outros presidentes quando tentaram fazer grandes reformas.

"Há gente lá fora a quem não agrado por minha raça? Certamente há, mas não é o assunto fundamental", comentou Obama, o primeiro presidente negro da história americana.

"Acho que há gente que é antigoverno. Acho que sempre houve um persistente debate no país que normalmente é mais forte em tempos de transição, ou quando os presidentes tentam realizar grandes mudanças", observou.

Nesse sentido, citou como exemplo o ex-presidente Franklin Delano Roosevelt, taxado então como comunista e socialista, e o também ex-presidente Ronald Reagan, alvo de fortes ataques quando tentou reverter alguns dos programas lançados durante a Grande Depressão.

A Casa Branca tentou minimizar a importância das críticas contra Obama, classificado por ativistas de extrema-direita de socialista, e insiste que o presidente não acredita que as críticas foram devidas à cor de sua pele.

No sábado passado, mais de dez mil conservadores saíram às ruas para se opor à reforma no setor de saúde, e alguns manifestantes levaram cartazes em que Obama aparecia com um bigode similar ao comumente usado por Hitler.

Os republicanos se opõem ao plano de reforma dos democratas por considerá-lo uma intromissão do Governo e que a ideia de fornecer cobertura médica universal nos EUA é uma tentativa de impor o socialismo no país. EFE mp/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG