Obama diz que pacote econômico corrigirá erros da era Bush

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse hoje que o plano de resgate financeiro que seu Governo anunciará nesta terça-feira corrigirá os erros da intervenção no sistema bancário feita por seu antecessor, George W. Bush.

EFE |


Em sua primeira coletiva de imprensa desde que assumiu a chefia de Estado, em 20 de janeiro, Obama reiterou que o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, mostrará nesta terça "planos claros e específicos para aumentar o crédito".

Segundo Obama, Geithner explicará como o Governo usará os US$ 350 bilhões restantes do fundo de resgate financeiro de US$ 700 bilhões aprovado pelo Congresso no ano passado, ainda durante o mandato de Bush.

Obama disse que seu programa corrigirá erros como a "falta de consistência e clareza" da iniciativa durante o Governo Bush, que usou o dinheiro para comprar ações nos bancos e dar empréstimos ao setor automotivo.

Segundo Obama, a ajuda que se dará aos bancos estará condicionada a que limitem a compensação de seus executivos e a outras restrições que visarão a evitar gastos exorbitantes e desnecessários.

Obama destacou que o pacote econômico terá um importante componente dirigido ao mercado imobiliário, que conforme lembrou, é a origem da crise.

Como haviam antecipado membros da Casa Branca, o programa usará entre US$ 50 e US$ 100 bilhões para ajudar proprietários de casas a evitar despejos.

Fora isso, estabelecerá um sistema para que os bancos se desfaçam dos títulos de má qualidade que prejudicam suas contas. O Governo também dará incentivos aos investidores para que comprem esses títulos.

Segundo a imprensa local, o Governo também ampliaria um programa do Federal Reserve (Fed, banco central americano) que atualmente financia a compra de empréstimos automotivos, estudantis e de cartões de crédito, para dar liquidez aos mercados de forma direta, sem passar por bancos privados.

Por isso, acredita-se que o Banco Central americano entraria também no mercado de hipotecas.

Leia mais sobre Barack Obama

    Leia tudo sobre: crise

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG