Obama diz que não há sinal verde para Israel atacar Irã

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, negou nesta terça-feira que o país tenha dado a Israel sinal verde para atacar o Irã, por conta do programa nuclear iraniano, mas Obama afirmou que Washington não pode ditar os interesses em segurança de outras nações. A política do Estados Unidos é tentar resolver o problema de maneira pacífica, por intermédio da diplomacia, afirmou Obama à rede CNN, durante a sua viagem à Rússia.

Reuters |

No domingo, o vice-presidente Joe Biden havia declarado numa entrevista à rede ABC que Israel é soberano para decidir o que melhor serve ao interesse israelense em relação ao Irã, um comentário interpretado por alguns como um sinal verde para um ataque.

Questionado se essa era a intenção da Casa Branca, Obama disse: "Absolutamente, não".

"Penso que o vice-presidente declarou algo categórico, o fato de não podermos ditar a outros países quais são os seus interesses em segurança", afirmou o presidente.

"Temos falado com os israelenses que é importante tentar resolver o tema sem criar grandes conflitos no Oriente Médio", declarou Obama.

O presidente tomou posse no início deste ano com a esperança de iniciar negociações com o Irã, mas até agora os seus esforços nesse sentido não tiveram muitos resultados.

Os Estados Unidos encaram o programa de enriquecimento nuclear do Irã como um passo em direção à produção de armas atômicas, mas Teerã insiste que a iniciativa se destina à produção de energia, com fins pacíficos.

Israel tem dito que um Irã com armas nucleares seria um ameaça à existência do Estado israelense. O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, já defendeu que Israel seja varrido do mapa.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou sanções contra o Irã, pelo fato de o país ter se recusado a suspender o enriquecimento de urânio.

Além dos Estados Unidos, Rússia, China, França, Alemanha e Reino Unido já convidaram o Irã para resolver as diferenças sobre o programa na mesa de negociações.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG