Obama diz que estudaria prospecção de petróleo em ultramar

Washington, 1 ago (EFE).- O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, disse hoje que apoiaria uma prospecção limitada de jazidas marítimas de petróleo para reduzir o preço da gasolina e a dependência de seu país do petróleo estrangeiro.

EFE |

Até agora, Obama se opunha categoricamente à idéia, mas, em viagem pela Flórida, deixou entrever que apóia um esforço bipartidário no Congresso e que inclua a prospecção de petróleo em ultramar, embora de forma limitada.

"Tenho interesse em assegurar que temos o tipo de política energética integral que possa diminuir os preços da gasolina", explicou Obama em entrevista ao diário "The Palm Beach Post".

Se isso significa obter consenso sobre uma estratégia de prospecção petrolífera "bem pensada", e que venha a evitar um dano ecológico significativo, "não quero ser tão inflexível a ponto de não alcançarmos nada", acrescentou.

Obama disse também que ainda possui dúvidas sobre a capacidade desse tipo de projeto na redução dos preços da gasolina no curto prazo, ou na diminuição da dependência com relação ao petróleo estrangeiro no longo prazo.

No entanto, declarou que "apóia o estabelecimento de um processo que permitirá decidir sobre futuros projetos de prospecção com base na ciência e nos fatos".

Segundo várias pesquisas de opinião, a maioria dos eleitores americanos apóia a prospecção de jazidas marítimas de petróleo para fazer frente à alta dos preços da gasolina.

O candidato republicano à Casa Branca, John McCain, dá suporte à idéia de ampliar a prospecção de hidrocarbonetos.

Obama apóia um projeto de lei apresentado hoje por senadores de ambos os partidos e que busca um aumento na produção nacional de petróleo e fomenta o desenvolvimento de recursos alternativos de energia.

O Congresso iniciou hoje seu recesso de agosto sem colocar-se de acordo sobre como responder ao alto custo da gasolina, algo que já desponta como um dos temas de maior destaque da disputa eleitoral.

EFE mp/fr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG