ponto morto no O.Médio - Mundo - iG" /

Obama diz que é necessário avançar além do ponto morto no O.Médio

Colleville (França), 6 jun (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou hoje que é necessário avançar além do atual ponto morto no processo de paz no Oriente Médio.

EFE |

Obama deu tal declaração durante uma entrevista coletiva conjunta com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, com o qual se reuniu hoje durante 45 minutos antes de participar dos atos de comemoração do 65º aniversário do Dia D, ocasião do desembarque aliado na Normandia.

Em suas declarações, o presidente americano - que há dois dias propôs no Cairo um novo começo nas relações entre os EUA e o mundo muçulmano - reconheceu não esperar que "um conflito que dura 60 anos acabe da noite para o dia", mas, como fez nos últimos dias, considerou que existe a oportunidade para fazê-lo.

Obama lembrou que as duas partes têm que cumprir suas obrigações: os israelenses devem admitir a possibilidade de um Estado palestino e pôr fim a seus assentamentos nos territórios ocupados, e os palestinos precisam melhorar suas instituições de Governo e pôr fim à violência.

Os dois chefes de Estado também pediram ao Irã para que renuncie ao desenvolvimento de um programa de armamento nuclear. Segundo Obama, deve se desenvolve uma "diplomacia firme" em relação ao Irã.

Por sua vez, o presidente francês assegurou ficar preocupado com algumas "declarações demenciais" do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

"Queremos paz. Queremos diálogo. Queremos ajudá-los a se desenvolver. Mas não queremos mais armas nucleares, e deixamos isso muito claro", sustentou Sarkozy.

O presidente francês também demonstrou sua disposição em aceitar na França alguns presos da base de Guantánamo, para os quais os EUA procuram um destino já que Obama ordenou o fechamento desse centro de detenção até o dia 22 de janeiro de 2010.

Os dois chefes de Estado se comprometeram a colaborar "estreitamente" em uma gama de assuntos, desde a luta contra o terrorismo à crise econômica mundial. EFE mv/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG