Obama diz a produtores dos EUA que defende o uso do etanol

Por Charles Abbott WASHINGTON (Reuters) - O candidato do Partido Democrata à Presidência dos EUA, Barack Obama, afirmou a produtores na terça-feira que apóia a exigência do governo federal de usar etanol a fim de diminuir a dependência norte-americana em relação ao petróleo importado.

Reuters |

O combustível alternativo, produzido nos EUA a partir principalmente do milho, é popular na parte agrícola do país, em especial no Meio-Oeste. No entanto, os preços recordes dos grãos e a elevação do preço dos alimentos fizeram surgir apelos para que o governo invista menos nos chamados combustíveis alternativos.

Uma lei federal prevê que o país usará 9 bilhões de galões de etanol como combustível neste ano.

Uma semana atrás, a Convenção Nacional Republicana defendeu o fim do uso obrigatório do etanol, seguindo assim a opinião do candidato desse partido, John McCain.

'Eu defendo há muito tempo o padrão de uso dos combustíveis renováveis', afirmou Obama durante uma breve teleconferência com membros do Sindicato Nacional dos Produtores. 'Estou comprometido em levar adiante os biocombustíveis como elemento central do combate à nossa dependência do petróleo estrangeiro.'

Além de ser um combustível produzido internamente, o etanol cria empregos na zona rural dos EUA, disse Obama, que apóia o desenvolvimento do setor agrícola. A taxa de desemprego na zona rural norte-americana está bastante acima da média do país.

Os dois candidatos concordam com a produção de etanol a partir da celulose, encontrada nas plantas. McCain diz que determinaria o fim dos 'mecanismos de apoio, tais como cota mínima, subsídios e tarifas e preços diferenciados, ao etanol produzido a partir do milho' e que deixaria o mercado identificar os melhores combustíveis alternativos.

O etanol é mais popular no Meio-Oeste, a região que mais produz milho nos EUA. Alguns republicanos, como o senador John Tune, de Dakota do Sul, dizem apoiar o etanol e discordam da plataforma do partido.

Uma pesquisa nacional com produtores rurais realizada no final de maio descobriu que eles se dividem meio a meio quanto aos benefícios ou malefícios do etanol para a agricultura.

Cerca de um quarto dos que responderam às perguntas não souberam opinar.

Dan Miller, editor da revista Progressive Farmer, que encomendou a pesquisa, disse que os criadores de animais desconfiam do etanol porque a produção do combustível aumentou o preço das rações.

Ao questionar 3.000 norte-americanos da zona rural, a enquete mostrou que 50 por cento deles apoiava McCain, 34 por cento, Obama, e que o restante gostava dos dois candidatos ou estavam indecisos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG