Obama discute com Congresso plano de até US$ 800 bi

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, reuniu-se nesta segunda-feira com líderes do Congresso americano para discutir seu plano de estímulo à economia do país. Segundo informações da imprensa americana, o novo pacote poderia chegar a cerca de US$ 800 bilhões (R$ 1,8 trilhão), sendo US$ 300 bilhões (R$ 680 bilhões) em cortes de impostos - valor maior do que o esperado.

BBC Brasil |

O pacote incluiria cortes de impostos para pessoas físicas que ganham menos de US$ 200 mil (cerca de R$ 453 mil) por ano, além de créditos para empresas que contratarem novos funcionários.

Segundo Obama, um dos objetivos do pacote é criar 3 milhões de empregos até 2011. O presidente eleito espera poder sancionar o pacote logo após sua posse, marcada para o dia 20.

Desafio

Obama disse que a reunião extraordinária com líderes no Congresso foi convocada porque "os negócios do povo não podem esperar".

"Temos um extraordinário desafio econômico pela frente", afirma Obama, lembrando que a expectativa é de dados negativos no relatório sobre emprego que será divulgado nesta semana.

O Departamento de Trabalho dos Estados Unidos deverá divulgar na sexta-feira os dados sobre emprego relativos a dezembro de 2008.

Muitos economistas esperam um aumento no desemprego, com a perda de 500 mil vagas em dezembro, e um total acumulado de 2,5 milhões de postos de trabalho fechados em 2008.

"Se não agirmos rapidamente e corajosamente, poderemos ver uma queda de atividade econômica muito mais profunda, que poderia levar a taxas de desemprego de dois dígitos e fazer com que o sonho americano fique cada vez mais distante", disse o presidente eleito.

O porta-voz de Obama, Robert Gibbs, afirmou que os últimos dados sobre vendas de Natal, confiança do consumidor e os números de emprego a serem divulgados "enfatizam que uma situação muito grave só piorou e não deverá melhorar tão cedo".

Projetos

Obama se mudou com a família para Washington no domingo, e a reunião desta segunda-feira foi a primeira discussão formal com legisladores desde que foi eleito, em 4 de novembro.

A equipe econômica de Obama vem trabalhando no pacote há semanas. O vice-presidente eleito, Joe Biden, disse em uma entrevista que o plano estava quase fechado antes do Natal.

Além da injeção de centenas de bilhões de dólares na economia americana para criar empregos, o pacote a ser proposto por Obama deverá incluir também projetos de longo prazo, como a compra de computadores e softwares para o setor de saúde e planos de restaurar a rede elétrica.

Alguns críticos do Partido Republicano afirmam que os democratas estão simplesmente usando a atual crise econômica mundial para assegurar dinheiro para projetos de longo prazo, em vez de esperar alguns anos, quando as preocupações com déficit orçamentário poderiam ameaçar a liberação desses recursos.

A equipe de Obama já disse que quem não usar o dinheiro previsto no pacote vai perdê-lo, em uma tentativa de forçar Estados e municípios a investir os recursos federais rapidamente para estimular a criação de empregos.

No entanto, alguns comentaristas afirmam que essa atitude poderia fazer com que políticos locais escolham projetos que possam ser executados rapidamente em detrimento de idéias melhores que poderiam exigir mais tempo para ser implementadas.

"Há uma tensão aqui entre a vontade de executar os projetos mais meritórios no longo prazo e o desejo de fazer algo que dê impulso à economia rapidamente", disse o especialista em orçamento Bob Greenstein, da organização liberal Centro de Orçamento e Prioridades Políticas.

Leia mais sobre pacote fiscal

    Leia tudo sobre: pacote fiscal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG