Obama defende seu projeto tributário contra críticas de McCain

KAUKAUNA - O candidato democrata Barack Obama acusou na quinta-feira o republicano John McCain de estar distorcendo o seu plano tributário, que segundo ele poupará a maioria dos norte-americanos de mais impostos.

Reuters |

McCain acusou nesta semana o seu rival de propor o maior aumento tributário nos EUA desde a Segunda Guerra Mundial.

'Simplesmente não é verdade', reagiu o democrata durante reunião com eleitores num ginásio de escola do Wisconsin, rejeitando a rótulo de 'liberal [afeito a] arrecadar e gastar' que os republicanos lhe estariam colocando.

Obama recebeu um aumento apenas modesto nas suas intenções de voto desde que liquidou a rival Hillary Clinton na disputa interna do partido. Pesquisa NBC/Wall Street Journal mostra que ele tem agora 47 por cento, contra 41 de McCain.

Obama promete aumentar impostos apenas dos norte-americanos que ganhem mais de 250 mil dólares por ano. Os impostos sobre ganhos de capital também subiriam apenas para os mais ricos, isentando os pequenos investidores. A arrecadação adicional financiaria uma dedução-padrão de mil dólares por ano para a classe média.

McCain e outros republicanos argumentam que qualquer aumento tributário pode ser devastador neste momento de desaquecimento econômico.

O comitê de Obama citou em seu proveito um estudo do Centro de Política Tributária, de Washington, segundo o qual o plano tributário do democrata seria três vezes mais benéfico para a classe média do que o de McCain.

Esse mesmo estudo também mostra que, num governo McCain, um quarto de todos os novos benefícios fiscais seriam destinados a famílias que ganham mais de 2,8 milhões de dólares por ano.

'Tanto John McCain quanto eu defendemos o corte de impostos', disse Obama. 'Não imposta o que ele diz, ambos defendemos o corte de impostos. A diferença é que o senador McCain quer continuar o código tributário do [atual presidente, George W.] Bush, que recompensa a riqueza, enquanto eu quero reformar nosso código tributário de modo que recompense o trabalho.'

Ele disse que McCain seria fiscalmente irresponsável se mantivesse as deduções fiscais generalizadas do governo Bush e ainda agregasse vantagens tributárias para empresas.

'Eu costumo dizer que John McCain está concorrendo ao terceiro mandato de George Bush, mas isso não é justo com George Bush, porque a verdade é que o senador McCain está agora propondo esta nova rodada de alívio tributário que custa o dobro do plano de Bush e é três vezes mais regressivo [taxa os mais pobres].'

Obama também criticou McCain por ter declarado na quarta-feira que 'não é tão importante' estabelecer um prazo para a desocupação do Iraque. Para o democrata, manter as tropas 'perpetuamente' no Iraque é uma idéia que não leva em conta o custo financeiro disso para o país e o desgaste para as famílias de soldados enviados sucessivas vezes à frente de combate.

Em entrevista a uma TV, McCain argumentou que mais importante que os prazos da retirada seria manter um baixo número de baixas norte-americanas.

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG