Obama decide não divulgar fotos de Bin Laden morto

De acordo com rede de TV CBS, imagem do corpo de líder da Al-Qaeda mostra ferimento na cabeça e perda de massa encefálica

iG São Paulo |

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que a Casa Branca não irá divulgar a foto do corpo de Osama bin Laden , morto no domingo em uma operação americana no Paquistão. A declaração foi feita durante uma entrevista nesta quarta-feira ao programa "60 Minutes", da rede de TV americana CBS.

Divulgação/Casa Branca
Presidente Barack Obama e Hillary Clinton observam com atenção imagem da operação que culminou na morte de Osama bin Laden
A Casa Branca pesou, nos últimos dias, se deveria ou não divulgar as fotos. Ao mesmo tempo em que o material poderia oferecer a prova de que Bin Laden foi morto durante a operação, alguns oficiais alertaram que a divulgação da foto poderia ter um efeito "inflamatório" - alimentando o sentimento antiamericano em países muçulmanos.

Na entrevista, Obama disse querer evitar que as fotos estimulem atos violentos ou sejam usadas como ferramenta de propaganda. "Não somos assim", afirmou o líder. "Uma foto não vai fazer diferença para provar que ele morreu. Alguns sempre vão duvidar, mas o fato é que Osama bin Laden não andará pela Terra novamente."

De acordo com a rede CBS, a foto do corpo de Bin Laden, à qual teve acesso, mostra o líder do grupo terrorista Al-Qaeda com um grande ferimento na cabeça e com perda de massa encefálica.

Na imagem, o líder da Al-Qaeda pode ser visto com um ferimento provocado por um projétil que o acertou acima de seu olho esquerdo. Segundo informações do governo americano, Bin Laden recebeu dois disparos à queima roupa ao oferecer resistência à prisão, embora estivesse desarmado, e foi atingido na cabeça e no peito.

Na terça-feira, o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse que as fotos de Bin Laden são "horríveis" e poderiam ofender algumas pessoas.

Sem arma

Carney disse também que o líder da Al-Qaeda não estava armado quando forças especiais americanas invadiram a residência dele no Paquistão, mas resistiu antes de ser morto a tiros. “Havia a preocupação de que Bin Laden fosse se opor à operação de captura, e realmente ele resistiu”, disse o porta-voz. Segundo Carney, a mulher de Bin Laden "avançou contra as forças dos EUA" e foi ferida na perna, mas não morreu, ao contrário do que fora anunciado por uma autoridade da Casa Branca na segunda-feira.

O porta-voz não deu mais detalhes sobre o comportamento de Bin Laden durante o ataque. Na operação, forças norte-americanas enfrentaram um tiroteio durante 40 minutos. "Esperávamos uma grande resistência e fomos recebido com uma grande dose de resistência. Havia muitas outras pessoas armadas no complexo", afirmou Carney.

No pronunciamento de terça-feira, o assessor disse ainda que assassinato de Bin Laden provavelmente não deve afetar o cronograma dos Estados Unidos para retirar as tropas americanas do Afeganistão e acrescentou que o objetivo de iniciar a retirada em julho permanece.

A operação

Bin Laden era procurado pelo governo americano havia mais de uma década. De acordo com autoridades americanas, a "virada" aconteceu há quatro anos, quando as agências de inteligência identificaram um fiel mensageiro do líder. O pseudônimo e algumas informações sobre o homem que seria usado pelo chefe da Al-Qaeda para manter contato com o mundo foram dados por prisioneiros do centro de detenção de Guantánamo, em Cuba.

Foram mais dois anos até que as autoridades americanas descobrissem a região em que o mensageiro atuava. Em agosto do ano passado, as agências de inteligência chegaram à fortaleza construída em Abbottabad, uma cidade de médio porte localizada a cerca de uma hora de Islamabad.

A propriedade era tão segura e tão grande que autoridades americanas duvidaram que ela tivesse sido construída para esconder um simples mensageiro. Em um minucioso trabalho de inteligência, agentes da CIA analisaram fotos de satélites e diferentes relatórios na tentativa de determinar quem poderia estar vivendo no local. Em setembro, a CIA considerou que a possibilidade de Bin Lader estar ali era grande.

O local era muito diferente das cavernas nas montanhas onde muitos imaginavam que Bin Laden estivesse se escondendo. Pelo contrário, era uma mansão nos arredores do centro da cidade, localizada em um imponente morro e rodeada por muros de concreto com arame farpado no topo.

Mansão

O imóvel foi avaliado em US$ 1 milhão, mas não tinha nem um telefone nem acesso à internet. Seus moradores eram tão preocupados com a segurança que queimavam o lixo e não o colocavam para coleta na rua como os seus vizinhos. Autoridades americanas acreditam que a fortaleza, construída em 2005, foi concebida com a finalidade específica de esconder Bin Laden.

Outros meses de trabalho de inteligência se seguiriam até que, em 14 de março, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, realizou a primeira de cinco reuniões sobre segurança nacional que aconteceriam nas próximas seis semanas para discutir a operação.

A última delas aconteceu na manhã de sexta-feira (29) e contou com a presença de Thomas Donilon, conselheiro de segurança nacional, John O. Brennan, conselheiro de contraterrorismo, e outros assessores próximos do líder. Antes de visitar o Alabama para observar danos causados por tornados, Obama assinou a ordem formal que autorizou a operação no local onde o governo acreditava que servia de esconderijo para Bin Laden.

No domingo (1º), uma pequena equipe de militares e agentes de inteligência americanos saíram de helicópteros para o ataque contra o prédio fortificado. Autoridades dos EUA forneceram poucos detalhes sobre a operação, mas disseram que um tiroteio começou e que Bin Laden tentou resistir. O líder da Al-Qaeda foi morto com um tiro no cérebro, de acordo com o governo. Outros três homens - incluindo um dos filhos de Bin Laden - e uma mulher que teria sido usada como escudo humano também morreram.

Autoridades americanas disseram que um dos helicópteros caiu durante a missão por causa de uma falha mecânica, mas que nenhum americano ficou ferido. Eram 15h50 (horário local) quando Obama recebeu a notícia de que Bin Laden havia sido identificado. Segundo o governo, o corpo foi "enterrado no mar".

Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: bin ladeneuaterrorismoafeganistãopaquistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG