Macarena Vidal. Istambul, 7 abr (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, concluiu hoje, em Istambul, sua primeira viagem pela Europa, na qual o resultado mais tangível foi a abertura de uma nova relação de diálogo com parceiros para, segundo a Casa Branca, colher os frutos no futuro.

Obama partiu hoje às 2h20 (9h20 de Brasília) da principal cidade turca, após uma viagem de oito dias por cinco países e três cúpulas, na qual manteve 14 reuniões bilaterais com chefes de Estado e de Governo, pronunciou dois discursos e manteve dois encontros com jovens.

Segundo um anúncio da Casa Branca, Obama seguiu para o Iraque, onde aterrissou hoje, em uma visita surpresa.

Antes, em Ancara, o presidente americano se reuniu hoje com estudantes turcos, aos quais expressou seu "profundo compromisso" de estabelecer "uma relação baseada no interesse e no respeito mútuo com o mundo muçulmano".

Em Londres, a primeira etapa da viagem, participou da cúpula do Grupo dos Vinte (G20, os países ricos e os principais emergentes); em Estrasburgo, assistiu à cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Depois, seguiu para Praga, onde se reuniu com a União Europeia (UE) e propôs uma estratégia, e Ancara, para um encontro com as autoridades turcas e estender pontes com o mundo islâmico.

Suas atividades abrangeram todos os aspectos da política externa americana: econômico, de defesa, contra a proliferação nuclear, os laços com o mundo muçulmano e inclusive a mudança climática.

Ao longo das diferentes fases, Obama pôs ênfase em deixar claro que começou uma nova era nas relações. Palavras como "diálogo", "consenso", "conciliação", "o que nos une" estiveram muito presentes em seus discursos.

Em reciprocidade, os líderes exaltaram a "liderança" e a "visão" do novo líder americano, que, durante sua visita, pôde ver também a adoração de um público europeu encantado tanto com a mensagem conciliadora do presidente quanto com o glamour de Obama e da esposa, Michelle.

A Casa Branca se declarou satisfeita e disse que o objetivo principal da viagem era "restabelecer relações que tinham se distanciado" e "começar o processo de aproximação com o mundo".

David Axelrod, assessor político de Obama, disse hoje que a viagem foi "enormemente produtiva" e assegurou que serviu não só para começar a estabelecer relações pessoais com os líderes do mundo, mas também para colocar as bases de uma relação de consenso, cujos resultados serão vistos no futuro.

Entre os resultados concretos, a Casa Branca destaca a obtenção de consenso no G20, em Londres, que fixa uma série de medidas para a regulação do sistema financeiro, e, também em Londres, o acordo com a Rússia para delinear um novo tratado de desarmamento nuclear.

A Casa Branca se declara também satisfeita com o resultado da cúpula da Otan, na qual Obama obteve o apoio dos aliados a sua nova estratégia para o Afeganistão e o Paquistão, e a promessa de quase 5 mil soldados adicionais para tarefas de treinamento das forças afegãs e de proteção às eleições.

Ressalta também os trabalhos de mediação de Obama, que fizeram com que a Turquia retirasse suas objeções contra a nomeação do primeiro-ministro dinamarquês Anders Fogh Rasmussen para novo secretário-geral da Otan.

Não conseguiu, no entanto, que a cúpula do G20 adotasse planos de estímulo econômico, como queria Obama, ou que os aliados prometessem soldados a um prazo mais longo.

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, afirma que nunca se esperou conseguir tudo em uma primeira viagem.

"Não esperávamos que os céus se abrissem e as águas do mar se separassem. Isso ainda vai levar algumas semanas", ironizou, acrescentando que "a ideia era colocar uma base de confiança, e isso é o que começamos a fazer".

Se esta fórmula conseguirá resultados a longo prazo, ainda se precisa esperar para ver. As seguintes provas internacionais de Obama serão, além da iminente cúpula das Américas, a reunião do Grupo dos Oito (G8, os sete países mais desenvolvidos e a Rússia) em julho, na Itália, e a próxima cúpula do G20, no segundo semestre.

EFE mv/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.