Obama cogita levantar restrições de viagens e remessas a Cuba

WASHINGTON - Pressionado por líderes latino-americanos, entre eles o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o chefe de Estado americano, Barack Obama, deve levantar as restrições de viagens e remessas a Cuba, no que pode ser o primeiro gesto de aproximação em relação ao regime castrista, informa hoje o The Wall Street Journal.

EFE |

Citando um funcionário do alto escalão do Governo dos Estados Unidos, a publicação diz que, no entanto, Obama não pensa em pedir a suspensão do embargo a Cuba, que requereria uma mudança na legislação.

O governante também não contempla uma aproximação diplomática específica, afirmou o funcionário citado pelo "Wall Street Journal".

Embora a informação não especifique a data em que Obama deva anunciar a mudança na política externa para Cuba, o jornal faz eco dos rumores nos círculos políticos de que isso pode ocorrer antes da 5ª Cúpula das Américas, que acontece de 17 a 19 de abril, em Trinidad e Tobago.

O "Wall Street Journal" diz que o fim das restrições a viagens e ao envio de remessas a Cuba beneficiaria 1,5 milhão de cubano-americanos com parentes na ilha.

Segundo o jornal, Obama enfrenta pressões de vários líderes latino-americanos para que faça um "gesto simbólico a Cuba" sinalizando sua disposição em "começar a reconstruir as relações regionais".

"Fazer o anúncio antes da cúpula regional poderia dissipar as pressões sobre os EUA no encontro", diz a publicação.

O "Wall Street Journal" acrescentou que os funcionários americanos esperam que a 5º Cúpula das Américas sirva para o debate de vários assuntos regionais, entre eles a crise econômica. EFE mp/sc

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG